quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Redimição: Censura impera em TERRAFORMARS... ou imperava

Os cortes do anime são grotescos, mas tem solução

Eu havia escrito aqui no blog sobre a tal censura de TERRAFORMARS que se comentava na primeira semana de exibição. Isso ainda é muito comentado por aí e passei a assistir aos segundo e terceiro episódios do anime. Eis que este blogueiro vem se redimir pela informação equivocada por conta de primeiras impressões. Deixo bem claro que quando comentei na época eu tinha assistido apenas ao primeiro episódio, que foi mais introdutório e teve uma cena de violência moderada. O segundo estava prestes a ser lançado. O motivo que levantei na ocasião foi também sobre uns equívocos de informação por parte de alguns otakus que acabaram soltando algumas pérolas como o programa "não passar depois da meia-noite" e coisas do tipo. Ok, pra ninguém dizer que eu não sou um cara legal e que não ajudo ninguém, deixo uma dica para procurarem sobre o termo "shin'ya anime" ou "late night anime" pra facilitar a compreensão de horário dos anime exibidos tarde da noite.

Para quem não conhece, TERRAFORMARS se passa em um futuro distante onde a humanidade que tem a pretensão de transformar Marte em um planeta habitável. Como cobaias, são usadas baratas para os experimentos e estas são enviadas para lá. Um grupo de pesquisadores parte para o planeta vermelho afim de encontrar uma fonte de energia adequada para sobrevivência, mas se deparam com criaturas horrendas e violentíssimas.


Então, analisando melhor os demais episódios, deu pra sentir a censura na carne. Sentir é pouco. Vi um monte de tarjas pretas no meio das cenas em que acontece os absurdos causados pelos humanóides é de doer mesmo. Não vou me deter quanto a questão de ser correto, errado ou necessário ter a violência em TERRAFORMARS. É compreensível que este é o clima pesado da trama e tais cortes são ruins mesmo para o desenrolar do enredo. Principalmente para um anime que é exibido em altas horas da noite. A princípio, o que parecia não ter tanta violência acabou dando a entender que tem sim uma violência ao extremo. Porém tímida.

Em meio às censuras toscas, uma boa notícia para os fãs da série. A Crunchyroll foi autorizada na semana passada pela distribuidora Warner Japan à exibir futuramente uma versão sem cortes do anime. Falando sobre a Crunchy, um leitor havia comentado comigo sobre o serviço "não legendar direito". Olha, de boa, eu assino a Crunchy há um bom tempo e não vi problemas com legendas. Mas sinceramente, não vi ninguém reclamando quando aparecia alguma expressão gringa adaptada pelas subs da vida em diálogos ou até mesmo quando aparecia uma palavra daquele tamanho num anime exibido em programação diurna (principalmente nas matinais). Quanto à omissões de expressões (tipo: samá, senpai, etc), não são em todas as séries do catalogo que estão lá. Já assisti algumas que contém estas expressões nas legendas. Até as subs tem essa omissão e isso é o de menos. O importante mesmo é ouvir as expressões de butuca.

Outra coisa: nenhum serviço de streaming foi ou é feita pra baixar. Ok, pra quem gosta de downloads. Mas prefiro fazer isso quando algum anime não é licenciado no país. E isso é economia de tempo, sono e espaço de HD. Problemas com vídeos no PC? Recomendo o aplicativo do serviço para Android. Pois é mais versátil/dinâmico, carrega com rapidez e dá pra acompanhar o mesmo. Mais um ponto de credibilidade. Pra mais, escrevi há meses atrás o meu depoimento sobre o serviço. Na realidade é um testemunho comparativo de experiências entre a Crunchy e as fansubs. Veja bem: não tô ganhando nada e não faço nenhuma propaganda sobre a Crunchyroll. Mas quando um serviço importante como este no mercado de cultura pop japonesa é bom e merece reconhecimento (principalmente onde há um briga acirrada com a maldita pirataria), tenho mais é que elogiar divulgar. Criticaria se houvesse uma falha grotesca -- como de uma certa distribuidora home-video que conhecemos. Como acompanho o serviço de perto, não tenho o que reclamar. ;)

Nenhum comentário:

Postar um comentário