segunda-feira, 26 de junho de 2017

Kiriya foi mais uma cobaia da própria Toei

Kiriya nos enganou direitinho (Foto: Reprodução/TV Asahi)

Já escrevi algumas vezes aqui no blog sobre a Toei insistir em alguns momentos o mesmo elemento, que cá pra nós, está batido e às vezes fica sem graça. Eu falo daquele lance de enganar o inimigo pra enganar o aliado. Elemento usado em alguns crossovers entre Kamen Rider e Super Sentai e que já foi usado em algumas séries. O caso mais recente foi o de Stinger, o Sasori Orange de Kyuranger.

No episódio deste domingo (25) de Kamen Rider Ex-Aid aconteceu algo do tipo. Quem está acompanhando a série sabe que Kiriya (Kamen Rider Lazer) retornou do além, ou pelo menos os seus dados. Há alguns episódios ele voltou como vilão, ao lado de Cronus. Provocou uma briga entre Emu (Ex-Aid) ao dizer algo que o deixou muito fulo da vida.

Mas tudo não passava mesmo de uma encenação. Tudo baseado nesse mesmo elemento usado à exaustão pela Toei nos últimos tempos. Pelo menos, Kiriya nos enganou muito bem. Ele poderia ficar mais um tempo como vilão, mas ainda assim não teria tanta graça quanto ficou até agora. E essa jogada foi mais imprevisível com Kiriya do que com Stinger.

sábado, 24 de junho de 2017

Toei desrespeitou Jaspion por participação reduzida em Space Squad?

A primeira aparição de Jaspion em mais de três décadas (Foto: Reprodução)

Nem preciso dizer que era totalmente previsível a reação dos saudosistas da Manchete em relação à pequena participação de Jaspion no filme Space Squad: Gavan vs. Dekaranger. Sem recriminar ninguém nem nada do tipo, mas estamos falando de um público que não curte de verdade tokusatsu e sim as séries japonesas que passaram na Manchete. Entenda, nada contra quem curte esses clássicos pois também assisto até hoje. O problema é a falta de atualização e de atenção dos mesmos.

Desde o anúncio oficial em dezembro passado que foi avisado que Jaspion teria uma participação reduzida. Mesmo assim, teve gente que aparecia na internet dizendo que era um "filme do Jaspion" e coisas do tipo. Uma tremenda ilusão. O filme é um crossover entre Gavan e Dekaranger (como o título sugere). Jaspion foi coadjuvante. E acredite. A celeuma foi maior quando o filme saiu. É fácil encontrar nas redes sociais comentários como:

- "Isso é um desrespeito ao Jaspion."

- "Por que Gavan faz mais sucesso que Jaspion?"

- "Jaspion é mais forte que o Gavan".

- "O Daileon é mais bonito que a nave do Gavan."

- "Jaspion é o melhor."

- "Em qual parte do filme o Jaspion aparece?"

- "Vou assistir só pra ver o Jaspion."

- "Jaspion, Jiraiya e Jiban aparecem."


É mais ou menos esses causos que a gente vai encontrar fácil fácil no fandom brasileiro. Então, vamos contextualizar por partes:

Os primeiros Ultraman, Kamen Rider e mais Akarenger (o líder de Gorenger) são considerados cult no Japão, uma vez que são pioneiros de suas respectivas franquias. Eles tiveram participações pequenas/medianas e houve sitauções em que os atores que viveram originalmente estes personagens no passado não apareceram. Foi o caso de Susumu Kurobe, por exemplo, que não voltou a interpretar Shin Hayata no filme do Ultraman X. Aliás, a forma humana nem apareceu no filme e sequer a voz de Susumu foi emprestada para o gigante prateado. Falta de respeito com o herói cinquentenário? Não mesmo. Susumu Kurobe está meio que afastado das gravações devido sua idade avançada. O que não o impede de um dia voltar a participar de alguma produção (nesse caso, seria apenas uma ponta, por motivos óbvios). O mesmo vale para o Jaspion voltou a aparecer após 31 anos de seu episódio final.

Sobre Gavan: Ele é um cult, pois é o primeiro Metal Hero e isso foi devido ao seu sucesso que, na época, foi quase imediato. Gavan veio de uma influência de clássicos cinematográficos como Star Wars. Foi a salvação financeira da Toei que passava pela sua segunda crise de criatividade. Explico melhor nesse texto que escrevi em março.

Sobre Jaspion: Ele é um cult para nós brasileiros. Para os japoneses ele é só mais um herói como tantos outros da franquia Metal Hero. Não foi um fracasso e teve sucesso mediano. Porém sem a mesma popularidade de Gavan e essa sorte o Tarzan Galático teve mesmo só e somente aqui no Brasil. Em 2015 escrevi também sobre os bastidores de Jaspion aqui no blog.

Outra coisa: tem gente que acha que Jaspion é o mais forte que os Policiais do Espaço. Não é por aí. Não curto muito esse tipo de comparação, pois as conclusões são exageradas e injustas na maioria das vezes. Se você prestar bem atenção, Jaspion passou por situações parecidas que a dos seus antecessores. Por exemplo, Sharivan quase foi morreu nas mãos de Shouri Beast naquele episódio onde aparecem os Irmãos Bengel (ou "Brasas" Bengel na dublagem) e conseguiu superar a situação antes que fosse derrotado. O mesmo vale para a vez em que Jaspion quase morreu nas mãos de Zampa. Esse tipo de coisa é um elemento chamado "deus ex machina", onde o roteiro favorece que o herói principal vença mesmo que a probabilidade seja o contrário. Pra se ter uma ideia, isso recursos é bastante usado em Os Cavaleiros do Zodíaco em situações do tipo. Voltando aos Metal Heroes, Spielvan foi o menos favorecido, já que houve situações em que ele era salvo por Lady Diana e vice-versa.

Outra coisa 2: É uma pena que os "mancheteiros" só perceberam a volta de Jaspion, Jiraiya e Jiban. Outros heróis também vão aparecer, inéditos no Brasil em sua maioria. Não vou mencioná-los pra não dar spoiler. Ah, é preciso que se diga que NÃO SÃO TODOS os Metal Heroes que vão aparecer em Space Squad.

Outra coisa 3: Infelizmente tem muita gente tomando como verdade uma teoria de um fã japonês que achou que Gaku Sano (Kamen Rider Gaim) deveria ser um sucessor do Jaspion na história. Daí vai surgir mais falsas esperanças lá na frente. Menos, gente. Não tem nada confirmado.

É claro que não são todos os fãs de Jaspion que passaram por tais vexames. Felizmente existe parte do público que é "pé no chão". Aliás, foi legal ver o Jaspion numa produção inédita após três décadas. Mesmo que tenha sido por pouco tempo. Ele deve aparecer numa possível sequencia de Space Squad. Ainda assim a citação de Jaspion foi significativa e serviu de acréscimo tanto para sua própria mitologia quanto para a de Gavan.

Devemos ser gratos à Toei que lembrou do nosso herói de alguma forma.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Girls in Trouble tem Herbaira sedenta por sangue como jamais visto antes

As garotas em apuros

Para entender os eventos de Gavan vs. Dekaranger, é preciso assistir primeiro a esse filme. Inicialmente a apresentou Girls in Trouble: Space Squad Episode Zero como "um filme de ação com garotas sensuais". Daí foi mexendo com a imaginação do público masculino - é óbvio - além das divulgações oficiais de que se tratava do filme mais violento da série e que trazia a nova versão de uma antiga vilã das séries Metal Hero.

Não foi bem um filme com erotismo, apesar de pouco fanservice e de ser um elenco praticamente formado por mulheres. A atmosfera foi diferente, pelo menos no início da trama. Ao menos as protagonistas serviram como chamariz. Como o momento é de crossover entre Gavan e Dekaranger - esqueça o Jaspion por enquanto - a intensão do diretor Koichi Sakamoto e do roteirista Naruhisa Arakawa era unir as garotas das duas mitologias, que, por fim, fazem parte do mesmo universo. Daí tivemos o encontro da dupla Umeko/Deka Pink e Jasmine/Deka Yellow com o trio Shelly, Sissy e Tamy. Respectivamente as assistente dos novos Gavan, Sharivan e Shaider.

O filme começa num misterioso dome onde as garotas estão presas e não se lembram como foram parar ali. Além das garotas citadas há pouco, também estão as novatas Vivian (este foi o nome da filha do Comandante Qom, interpretada por Kiyomi "Anri" Tsukada num episódio de Shaider) e Maki. Para sobreviver, elas tem que enfrentar uma versão monstruosa de Herbaira (Hellvira), a vilã assassina da série Spielvan (de 1986). A nova Herbaira é muito mais sanguinária e não perdoa ninguém. Tudo do jeito que remete aos clássicos hollywoodianos como Alien e O Predador. Surge também a nova Benikiba (baseada na vilã original de Jiraiya, série Metal Hero de 1988) que, no passado, teve um determinada passagem pela Polícia Galática. Como complemento na trama, também surge a Secretária Sophie (erroneamente chamada por desavisados como "a chefe do Gavan") que tem um papel fundamental para os eventos deste prólogo.

Mais uma vez a antiga trilha sonora do grande Chummei Watanabe se destaca numa série totalmente moderna. Em Girls in Trouble - nome de um dos temas de encerramento de Dekaranger - podemos ouvir mais uma vez as BGMs de Shaider e Sharivan sendo tocadas. A última vez aconteceu nos dois filmes da série Uchuu Keiji NEXT GENERATION. Assim o filme foge em alguns momentos do clima tenso de terror/suspense proposto. Dosando momentos de graciosidade e fortes cenas de violência.

O single de Girls in Trouble foi lançado em janeiro deste ano e foi interpretado pelas atrizes Ayumi Kinoshita (Jasmine), Mika Kikuchi (Umeko), Suzuka Morita (Shelly), Misaki Momose (Sissy) e Mayu Kawamoto (Tamy). O mesmo é o tema de encerramento intitulado como "Girls Say Halleluya". Mika e Ayumi (esta última anunciou recentemente sua segunda gravidez) continuam transmitindo a mesma graciosidade dos tempos de Dekaranger nas manhãs de domingo, mesmo agora que ambas estão na casa dos 30 anos de idade.


A monstruosa Herbaira

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Gavan vs. Dekaranger abre caminho para a nova Liga da Justiça

O encontro de Dekaranger e Gavan Type-G

Demorou muito tempo para a Toei pensar em algo mais consistente e que reunisse grandes heróis do estúdio. Parece que agora a realidade está mudando com o lançamento dos filmes Space Squad. Inicialmente a Toei tinha planos para lançar direto-para-vídeo. Mas a repercussão no final de 2016 foi tamanha que em janeiro passado foram anunciadas as exibições itinerantes dos filmes Girls in Trouble e Gavan vs. Dekaranger nas salas de cinema do Japão. Os lançamentos em DVD e Blu-ray ainda vão sair oficialmente a partir de julho. Porém, alguns exemplares foram adiantados como brindes. Um belo agrado para os fãs japoneses.

Sem dúvida alguma, o filme mais esperado foi o crossover entre Geki Jumonji/Gavan Type-G e o sexteto liderado por Akaza Banban/Deka Red. Há tempos que a Toei deixou a entender que havia uma antiga amizade entre o primeiro Gavan, Retsu Ichijoji, e Doggie Kruger, o Deka Master. Anos depois o sonhado encontro das duas sagas se tornou realidade. E o que é melhor, expandindo o universo da Toei com novas versões de vilões clássicos das séries Metal Hero.

Antes de seguir, é preciso entender que crossovers como Super Hero Taisen, por exemplo, servem para dar possibilidade dos heróis das franquias Super Sentai (com exceção de Kyuranger), Metal Hero e Kamen Rider coexistirem no mesmo universo. Por si só, esse motivo dispensa explicações e até mesmo teorias de fã.

Space Squad conta com a volta de MacGaren (Mad Gallant), o filho de Satan Goss e rival icônico de Jaspion num passado distante. Apesar de se apresentar com uma nova armadura - e ter apenas a voz do lendário Junichi Haruta - ele não é exatamente o mesmo que conhecemos nos tempos da extinta Rede Manchete. O mesmo vale para Benikiba - interpretada por Mikie Hara - que não tem relação alguma com a verdadeira filha de Dokusai, em Jiraiya. Porém, os dois são chaves essenciais para o que podemos entender pela formação dos 12 apóstolos do verdadeiro inimigo que está por trás de tudo, Kyōsō Fumein. Embora um deles seja independente disso tudo e tem um  motivo maior para se aliar.

Deka Red e Gavan Type-G medem forças com a nova encanação de MacGaren

A introdução de Jaspion na história é pequena e aos mesmo tempo fundamental. Se você é daqueles que ainda está aguardando uma participação maior do nosso querido Tarzan Galático, mesmo com todos os avisos, é bom afogar as mágoas numa maratona da série clássica pra aliviar a dor de cotovelo ou entender de vez o contexto de Space Squad pra não criar falsas esperanças. Ao contrário do que pensávamos, Jaspion não aparece em um flashback para explicar sobre a origem de Macgaren ou algo assim. Há uma explicação sobre um material especial feito no planeta Edin. Em contrapartida, Satan Goss também aparece ou pelo menos o que sobrou do demônio da galáxia. Meio rápido e com breve referência à trilogia dos Policiais do Espaço, acredite.

Só que nem tudo está perdido e não deve parar nessas referências. Space Squad deve ser uma espécie de Liga da Justiça ou Vingadores da Toei. Possivelmente veremos Jaspion - sem a participação de Hikaru Kurosaki, é claro - em novos filmes da série. Além dele estão prometidos outros heróis das franquias Metal Hero e Super Sentai. Mais precisamente ligados aos temas espaciais e policiais. Eles formarão o senbatsu team.

Gavan vs. Dekaranger é divertido e não cai em fanservices gratuitos, que era o grande mal de alguns dos recentes crossovers do estúdio. É um misto de violência e carisma. A trilha sonora original de Gavan foi um dos destaques. Talvez porque não esteve presente em Gavan: The Movie (de 2012). Agora teve todo um charme. O carisma dos Dekaranger também ajuda. Um dos momentos mais esperados pelo público é o casamento de Sen/Deka Green e Umeko/Deka Pink que sofre imprevisto, devido ao ataque dos novos inimigos que estão por trás de um caso que envolve estranhas sanguessugas.

O diretor Koichi Sakamoto e o roteirista veterano Naruhisa Arakawa fizeram um excelente trabalho que não deve decepcionar o público. Ambos conhecem bem essas mitologias que devem acrescentar mais e mais elementos. A ansiedade só aumenta para saber o que vem por aí e vai além de um mero saudosismo.

terça-feira, 20 de junho de 2017

Goku só deu altos vacilos no atual arco de Dragon Ball Super


Ele é o tipo de personagem que todos nós que acompanhamos Dragon Ball amamos e gostamos. Goku é aquele herói boa praça que você faz questão de ser amigo, por ser verdadeiro, honrado e qualidades afim. Só que o Saiyajin tem um defeito terrível: sua ingenuidade.

É justamente esse defeito que está colocando em cheque sua reputação em Dragon Ball Super e com toda a razão. Vajamos:

Primeiro: sua busca desesperada em recrutar os guerreiros para o Torneio o levou a mentir, dizendo que havia um prêmio de milhões em dinheiro. Algo desmentido e que causou mal estar entre seus amigos.

Segundo: sua ideia absurda em recrutar Freeza. Tá certo que foi um caso de extrema urgência por causa de hibernação inesperada de Majin Boo. Mas "ressuscitar" um inimigo de alta periculosidade é um tiro no escuro. O resultado está aí. Freeza matou friamente assassinos de um dos Doze Universos, tentou fazer o mesmo com Goku, tentou trair o acordo feito e ainda pode fazer algo bem pior.

Na boa, se você tem um bom motivo pra odiar Goku, esses dois vacilos citados acima são um bom começo. Além do mais, Goku é o cara mais poderoso entre os Universos e o que diga os guerreiros dos mesmos sobre o adversário, né?

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Após dois anos, Dragon Ball Super finalmente vai começar

O ingênuo Goku (Foto: Reprodução/Crunchyroll)

Depois de tanta enrolação, remakes de filmes recentes e um arco com mais furos que um queijo suíço (Trunks do Futuro, sendo mais específico), já posso dizer que Dragon Ball Super vai começar de verdade após dois anos de sua estreia na Fuji TV. Falando sério, nunca um episódio da série me deixou tão empolgado como o deste domingo (18).

Goku acabou de criar sua próprio "zumbi", tanto para o Torneio dos Universos quanto para a própria trama. Tudo está praticamente imprevisível. Ninguém tem a menor ideia do que pode acontecer por causa do erro de Goku em recrutar Freeza para formar o time dos dez guerreiros do Sétimo Universo. Foi um mal necessário? O tempo dirá.

Por outro lado, Freeza protagonizou um episódio onde promete que Dragon Ball Super pode render momentos catastróficos. O vilão parece não estar perdido numa fanservice qualquer e Akira Toriyama deve ter um propósito com o personagem para os próximos episódios. Que Freeza não é um sujeito confiável, isso todos sabemos (talvez Goku não saiba, né?). Até agora ele matou friamente os assassinos de outro universo, tentou negociar com os deuses e agora planeja dominá-los se aproveitando da ameaça de destruição mediante o Torneio.

Ele é mais que esperto e mais cedo ou mais tarde irá causar um caos dos diabos. Tudo às custas da ingenuidade de Goku. É só aguardar.

PS: Neste sábado terminou a segunda temporada de Attack on Titan. Uma pena que tivemos apenas doze episódios. Pelo menos desta vez pudemos ver simultaneamente pela Crunchyroll (infelizmente a primeira temporada segue inédita no Brasil). Não que estivesse ruim ou coisa assim, mas não me empolguei tanto como na temporada anterior. A terceira temporada foi anunciada e teremos mais Eren, Titãs, e coisas estranhas garantidos para 2018.

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Kyuranger tem crossover boboca com Gavan e Dekaranger

O encontro dos heróis vermelhos e prateados

Desde quando Kyuranger foi anunciada oficialmente como uma série Super Sentai espacial, imaginávamos a possibilidade de acontecer algum crossover com o elenco de Space Squad. Seja no próprio filme ou num episódio de TV. Para promover a estreia de Girls in Trouble e Gavan vs. Dekaranger nas salas de cinema do Japão neste fim de semana, a Toei jogou Kyuranger num encontro com o elenco dos dois filmes.

Lucky/Shishi Red e Naga Rei/Hebitsukai Silver são o foco da trama. Suas respectivas cores se encontram com Geki Jumonji/Gavan Type-G e Banban Akaza/Deka Red. Rolou algumas referências como Geki citar "yoroshiku yuuki" (trecho do tema de abertura de Gavan), fazer um gancho com o casamento de Sen-chan/Deka Green e Umeko/Deka Pink e até reaproveitamento de cenas. Mas o desenvolvimento foi bobo demais. Começou com Madako (não confunda jamais com Madoka) enganando Geki, se fazendo de inocente e roubando a nave Dolgiran. Nada tão trabalhado como no crossover entre Gavan Type-G e Go-Busters nem como Jiraiya e Ninninger. Foi mais como divulgação sem se preocupar com a lógica.

Pelo menos esse episódio de Kyuranger confirma que a trama se passa num universo paralelo da cronologia dos Super Sentai anteriores. A invasão apocalíptica de Jark Matter num futuro distante já serve como justificativa. 

PS: Sobre os filmes do Space Squad, estreiam neste sábado no Japão, como citei acima. A Toei tinha um plano inicial de lançá-las direto-para-vídeo, mas a repercussão foi tamanha a ponto da Toei mudar os planos em janeiro. Portanto o lançamento em DVD e Blu-ray acontecem apenas em 17 de julho. Nesta semana saiu o CD com Space Squad & Toei Hero Collection. O material traz novos e antigos temas de Gavan, Dekaranger, além das TV size dos temas de abertura de algumas séries Super Sentai como Denziman, Flashman, Fiveman, Megaranger e Gingaman e mais de algumas séries Metal Hero como Sharivan, Shaider, Jaspion, Spielvan, Jiraiya, Jiban, Exceedraft, Janperson, Blue SWAT, B-Fighter e B-Fighter Kabuto. Segundo o diretor Koichi Sakamoto, há planos de lançar mais filmes de Space Squad. Será que veremos mais estes heróis em aventuras inéditas? Tomara que sim.

terça-feira, 13 de junho de 2017

Só agora que reclamaram do Mestre Kame?


Não é de hoje que o Mestre Kame tem aquele jeitão, digamos, tarado. Na primeira série clássica de Dragon Ball, o velhão protagonizou vários momentos de safadeza. A principal vítima, na época, foi a Bulma (e sua calcinha). É bom ressaltar que as três primeiras séries da franquia foram exibidas originalmente em horário nobre, no começo das noites de quarta-feira pela Fuji TV. Até aí é considerável, uma vez que a faixa das 19h abriu espaço para vários animes violentos, no passado, como Os Cavaleiros do Zodíaco, Samurai X, etc.

Recentemente, Kame teve seus ataques "hentai" em Dragon Ball Super. O que é estranho já que a atual série é exibida em pleno horário matinal, às 9h de domingo. Foi o caso daquele episódio 89 da série, onde surge a personagem Yurin que foi assediada por Kame. Então, este mesmo episódio se tornou alvo de um Comitê de Ética japonês, a BPO (Broadcasting Ethics and Program Improvement Organization), que fez a seguinte reclamação:

Em uma animação, existem cenas de um ancião tocando os corpos das garotas e olhando as suas roupas de baixo contra a vontade delas. Essas cenas são quase irrelevantes para a história. Eu amo assistir esta série com meus filhos todos os finais de semana, mas é inapropriado para crianças ter algo assim no anime.

A BPO não menciona nome de anime em suas reclamações. Pela descrição, tudo leva a crer que se trata de Mestre Kame. O que chama atenção é que o episódio foi exibido no começo de maio e só agora, após mais de um mês, é que a reclamação veio a tona. Enfim, Kame é um personagem antigo da franquia. Ainda assim é esquisito ter esse tipo de apelação em plena programação infantil e em tempos de "politicamente correto". Por um lado, isso provou que esse tipo de coisa não acontece apenas aqui no Brasil. O mesmo caso de cá é também de lá.

Pelo menos, Kame deu a entender que vai se controlar, pelo menos na sequencia do Torneio. Quem sabe depois dessa polêmica toda ele permaneça assim, né?

segunda-feira, 12 de junho de 2017

De volta do inferno, Kiriya rivaliza de vez em Kamen Rider Ex-Aid

O novo Kiriya Kujo

Sem dúvida alguma, esta é a melhor fase da série. Kiriya Kujo está mesmo de volta, agora como Kamen Rider Lazer Turbo. Antes de qualquer coisa, Masamune Dan/Kamen Rider Cronus instaurou um início de um grande caos que vai ameaçar a humanidade. Claro, isso no universo de Kamen Rider Ex-Aid. Mas o que chamou atenção foi a volta do Rider que voltou após sua morte do trágico episódio de Natal.

Kiriya é um daqueles sujeitos que cativam o espectador pelo seu valor. Sua morte no fim do ano foi estranha e sentida por muita gente que acompanha a série. Porém sua volta é significativa ou mais do isso. Sem o controle de Cronus e lutando ao lado do vilão por vontade própria, Kiriya veio pra deixar a marca de uma forte rivalidade contra Emu. Não se sabe ainda o que Kiriya disse para Emu para que ele ficasse com raiva. É mais um enigma que vai sendo desvendado durante os próximos episódios e que vai deixar muito espectador babando o chão e roendo unhas. E claro, queimando a língua de quem ainda acha que Ex-Aid é ruim pelo visual.

Kamen Rider Ex-Aid está indo muito bem. O único furo no momento é quanto ao Hiiro/Brave. Sério mesmo que ele está se deixando cair numa armadilha tão óbvia? Cronus está prometendo devolver a memória de sua namorada mesmo que signifique trair Ex-Aid e sua turma. Tá na vista que o rival vai pagar caro pela sua decisão e isso pode custar até sua própria vida. Como se dará isso, só assistindo pra saber.

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Veja a primeira imagem oficial de "Pantera Negra"

Chadwick Boseman como Pantera Negra

A Marvel acaba de divulgar a primeira imagem promocional do filme solo do Pantera Negra, que tem estreia prevista no dia 15 de fevereiro de 2018. O filme se passa após os eventos de Capitão América: Guerra Civil, onde o herói deu as caras pela primeira vez nas telonas. Chadwick Boseman voltará a encarnar o herói. Confira o cartaz:



ATUALIZAÇÃO: A Marvel liberou na noite desta sexta (9) o primeiro trailer do filme. Assista:


quarta-feira, 7 de junho de 2017

Ex-Aid protagoniza o mais divertido Movie Taisen da franquia Kamen Rider

Os cinco recentes Riders da era Heisei

Desde dezembro de 2009 que as séries Kamen Rider adotaram uma tradição de fim de ano: ter um crossover entre o Rider vigente e o Rider anterior. Antigamente era dividido em três arcos onde o primeiro dava um "gostinho de quero mais" do Kamen Rider recém-concluído, o segundo era um "episódio estendido" do Rider do momento e o terceiro e último era um crossover entre os dois heróis.

A Toei conseguiu sair desse modelo engessado que gerava encontros legais. Às vezes o fanservice forçava mesmo só mesmo pela desculpa de jogar os dois últimos heróis do momento. Em dezembro do ano passado foi exibido nos cinemas do Japão o filme Kamen Rider Heisei Generations: Dr. Pac-Man vs. Ex-Aid & Ghost with Legend Riders. Em outras palavras, Takeru Tenkuji/Kamen Rider Ghost e cia estavam de volta após o final da série de TV, enquanto  Emu Hoju/Kamen Rider Ex-Aid tinha um episódio que passavam dos vinte e poucos minutinhos. Esse filme teve um encontro repentino dos dois recentes Riders e o desenrolar foi natural. Ambos tiveram um inimigo em comum, o Dr. Pac-Man e seus capangas que armaram um vírus - que também leva o nome do famoso personagem de game da Namco - que pode afetar vidas humanas. Durante o filme o elo mais forte entre Takeru e Emu estava em evidência: o dom da amizade e o desejo de salvar vidas.

Aos poucos são introduzidos os três Riders lendários do filme. Shinnosuke Tomari/Kamen Rider Drive investiga sobre o mais novo vilão, enquanto não tem como se transformar e está aguardando o nascimento de seu filho com Kiriko. Haruto Souma/Kamen Rider Wizard surge usando seus métodos. Respectivamente estavam de volta os atores Ryoma Takeuchi e Shunya Shiraishi. O único entre os Riders lendários que não voltou foi o ator Gako Sano para interpretar Kouta Kazubara. Assim, Kamen Rider Gaim aparece apenas transformado.

Kamen Rider Heisei Generations: Dr. Pac-Man vs. Ex-Aid & Ghost with Legend Riders consegue divertir e fugiu do estilo caça-níquel dos primeiros Movie Taisen. O crossover foi agradável e sem grandes pretensões. Não é preciso ter assistido a alguma das séries pra entender (porém não custa nada frisar que o filme se passa entre os episódios 9 e 10 de Ex-Aid), mas é um bom divulgador das mesmas. Koichi Sakamoto é quem esteve na direção e assim garantiu uma ótima qualidade. Seu último trabalho com a série Movie Taisen foi em 2012 com o crossover de Wizard e Fourze. O mesmo que contou com a aparição da nova Patrine.

terça-feira, 6 de junho de 2017

Kamen Rider Ex-Aid está entrando em sua melhor fase; e quase ninguém acreditou que isso aconteceria

Ex-Aid contra Lazer Turbo

Olhando para julho do ano passado, época em que Kamen Rider Ex-Aid foi anunciado oficialmente pela Toei, e olhando para o momento atual da série, dá pra tirar a conclusão de que tudo o que pensávamos e temíamos estavam errados. O tempo provou muito bem isso. Isso só quem vai descobrir é quem está acompanhando de verdade o programa dominical da TV Asahi.

A quem acha que foi uma bola fora da Toei, minhas sinceras condolências e meu profundo respeito. Kamen Rider Ex-Aid está entrando em sua fase derradeira e até aqui temos visto que o roteiro é muito bem organizado, cheio de pistas e coisas do tipo. Quanto mais imprevisível, melhor. E é o que acontece agora com a revelação de um traidor no CR com a proximidade da reta final.

Leia abaixo só e somente se você viu o episódio deste domingo (4). É por conta e risco.

Hiro/Kamen Rider Brave é um dos melhores personagens da série e não é a toa que é o meu favorito por ser misterioso e rival de Emu/Ex-Aid. Recentemente ele passou para o lado de Cronus. No começo pensei que fosse mais uma jogada do tipo "enganar o inimigo pra enganar o aliado" (artifício batido nos filmes Super Hero Taisen e mais recentemente usado nos primeiros episódios de Kyuranger), mas a coisa tem mais sentido com a busca de Hiro para resgatar sua namorada. Tudo tem um preço e certamente ele está armado numa arapuca que pode lhe custar muito caro por ser uma atitude inconsequente. Os próximos episódios devem ter um forte elemento-chave com a aparição de Kamen Rider Lazer Turbo. O que significa que veremos um Kiriya Kujo totalmente modificado.

Kamen Rider Ex-Aid se junta ao lado de Kamen Rider Gaim e Kamen Rider Fourze como as séries mais subestimadas no início (e ainda são pra muitos desavisados) que provaram seus valores até o último episódio. Ontem foi anunciado o registro da próxima série, Kamen Rider Build. Não vou falar comentar nada até o início da série. O Rider cor-de-rosa nos deu uma boa lição e ninguém quer sair por aí com a língua torrada, né?

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Recrutamento de Freeza pode mudar completamente o rumo de Dragon Ball Super

Freeza no episódio desde domingo (4) (Foto: Reprodução/Crunchyroll)

Não sei se você percebeu, mas alguma coisa está estranha em Dragon Ball Super. O episódio deste fim de semana contou como Goku recrutou Freeza, que está em seu inferno particular (se é que se pode chamar de inferno). O Saiyajin confia piamente que o vilão é o último recurso para fechar os 10 guerreiros do Sétimo Universo. Considerando que Majin Boo hibernou e não há outra opção a não ser ressuscitar o mais forte vilão por 24 horas.

Ainda assim é um tiro no escuro e Freeza pode ser uma ameaça letal. Não só para o prosseguimento do Torneio como também da Terra. O mais estranho é que até o momento não foram divulgadas as sinopses dos próximos episódios. É surpresa para evitar spoilers? Pode ser. A verdade é que Freeza é um sujeito trapaceiro e ele pode muito bem fazer o que bem entender em 24 horas. É tempo suficiente pra tocar o terror e devastar tudo pelo prazer da destruição.

O fato de Goku ter chamado Freeza de volta é sinal de mais um fanservice de Akira Toriyama pra dar mais uma chance ao pior vilão do clássico Dragon Ball Z. Essa revanche pode valer a pena já que tudo está imprevisível. Por um lado isso pode ser bom para a trama que vem sofrendo enrolações a fio nos últimos quatro meses.

sexta-feira, 2 de junho de 2017

Kamen Rider Ex-Aid mostra como existe público brasileiro que desaprendeu a respeitar

Ex-Aid, o Rider da discórdia?

É, amigos. Como se não bastasse o alvoroço sobre o cancelamento de Sense8, as redes sociais tem se tornado um "pé-de-guerra" quando o assunto é Kamen Rider Ex-Aid. Isso se tratando na chamada "tokunet". A série começou no fim do ano passado e desde o começo do ano causou estranheza por parte do público - brasileiro - por causa do seu visual.

Eu mesmo fiz um comentário na época que saiu a primeira imagem oficial. Não custa nada lembrar que foi cometário de primeira impressão. O que não influi diretamente à série (que sequer havia começado). Foi só um susto e um caso à parte. Eu presto atenção mesmo é no roteiro, mais do que visual e efeitos especiais. Não curto essa bitolação pela estética por ser relativo. Tem gente que perde história por bobagem e tal. Independente disso, sempre defendi a separação entre roteiro e visual e que uma coisa não tem nada a ver com outra.

Enfim, está cada vez mais difícil conviver no fandom do tokusatsu no Brasil ou ao menos numa parte dela. Culpa do Ex-Aid? Não mesmo. Ele é apenas um personagem de entretenimento que vai muito bem (obrigado) no Japão. Infelizmente tem quem leve qualquer tipo de série e/ou filme e parte pra briga, como acontece em jogos de futebol, por exemplo. Nem preciso dizer quem é uma imbecilidade sem cabimento. Olha, eu mesmo já fui ameaçado uma vez por comentar sobre o visual Ex-Aid como se eu estivesse falando da vó. Pra se ter uma ideia do nível de tolerância. Já vi também gente dizendo que a série "é uma merda" e fazendo comparações com Kamen Rider Amazons (voltada pra outro tipo de público) e até chorou com bastante saudosismo da primeira geração dos Heisei Riders. Na realidade, Kamen Rider Ex-Aid está muito bom e, pra mim, as primeiras impressões foram superadas pelas segundas, depois pelas terceiras e por aí vai. Não é um Kuuga da vida, mas tem seu valor. Perde quem critica sem ao menos acompanhar semanalmente os episódios, vai.

Agora é triste ver a internet e se deparar com situações constrangedoras por causa de uma série japonesa (que tem as crianças como público-alvo principal) com baixo calão e difamação. Parece que o que foi ensinado pelos heróis ficou de lado e prevaleceu a falta de respeito. Eu posso muito bem não curtir o visual do Ex-Aid. Ainda assim respeito quem gosta e convivo pacificamente com opiniões diferentes das minhas. Posso curtir a série do Ex-Aid e recomendar a série. É diferente de empurrar produto goela abaixo. Quem decide se gosta ou não é quem ai assistir.

Eventualmente eu comento sobre as minhas séries favoritas do momento. Apesar de crítica ser algo normal na imprensa (trabalho no ramo), a opinião de quem escreve não é uma verdade absoluta. Tudo é uma questão de interpretar textos e ver se o autor gosta ou não do que está escrevendo. Seja qual for a motivação, isso não é pretexto pra brigas, mimimis, etc. Há quem confunda crítica com o bel prazer de "falar mal".

Esses problemas de ego na esfera tokusatsu não envolvem todos os fãs do gênero, entenda. Eu conheço muita gente boa que curte tokusatsu como também conheci alguns sujeito que passo bem longe. É que a falta de imaturidade é coisa antiga nesse meio e a cada ano que passa - ou melhor, a cada Rider lançado - a coisa fica cada vez pior e mais insustentável. Infelizmente, fazemos muita vergonha para os fãs de tokusatsu fora do Brasil. Ainda temos muito e muito pra aprender com eles. Respeito é uma coisa boa e todo mundo gosta. 

O problema não está no visual de um herói que vai ser substituído por outro como uma novela, mas está em quem se acha o dono da verdade e causa mal estar atrapalhando quem quer assistir numa boa.

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Toei Channel apresenta maratonas de Metalder e Power Rangers Megaforce

Os Mega Rangers atacam novamente no canal da Toei

Em julho o novo filme de Power Rangers estará nas salas de cinema do Japão. Para entrar no clima, o Toei Channel promove duas maratonas com os 20 episódios de Power Rangers Megaforce. Uma acontece nos domingos deste mês das 10h às 12h. E a outra acontece nos dias 28 e 29 (sexta e sábado) das 19h às 24h. Esta série foi exibida pela primeira vez na TV japonesa, pelo Toei Channel, em 2016. Esta é uma provável chamariz para a temporada seguinte, Power Ranger Super Megaforce, ainda inédita na terra do sol nascente.

Outra novidade é a volta do bloco Metal Hero Time. A partir de 7 de julho, o clássico Metalder será exibido às sextas-feiras das 18h às 19h, sempre com dois episódios. Com reprise na sexta-feira seguinte das 17h às 18h. Antecedendo os episódios seguintes. Neste ano, Metalder comemora 30 anos de sua estreia.

Em julho terminam as reprises das séries tokusatsu Omoikkiri Tanteidan Hadogumi (de Shotarô Ishinomori) e Captain Ultra (série que serviu como "filler" entre Ultraman e Ultra Seven). Estreiam as séries dramáticas Judô Ichokusen (1969~71) e Target Man (1971~72).

Seguem na programação as séries tokusatsu Kamen Rider Agito, Kamen Rider Fourze, Gorenger, Magiranger, Boukenger, Goseiger, Guru Guru Medaman, além das séries de anime Captain Future, Arrow Emblem e Toshô Daimos.

Veja a programação aqui.

Metalder ganha reprise nas noites de sexta

quarta-feira, 31 de maio de 2017

Revolta dos otakus contra Yuri, de A Força do Querer, não atinge Drico Alves

Yuri é o cosplay de Goku na novela das nove (Foto: Divulgação/Globo)

Dragon Ball está praticamente indomável aqui no blog. Esse é o terceiro post seguido sobre a franquia que escrevo na semana. E eu gosto, pois acompanho Goku e cia desde a infância. Tá na veia. Então, li uma matéria na UOL sobre o Yuri. Aquele personagem da novela A Força do Querer, vivido por Drico Alves, que é o cosplay do Goku. Pelo visto a resistência de parte dos otakus se mantém firme desde às vésperas do começo da novela.

O personagem foi duramente criticado por ser um estereótipo. Era de se esperar por Glória Perez, uma vez que a autora costuma criar personagens estranhos pra contar história. Yuri - a.k.a. Kakaroto Son Goku - é adolescente, tirava notas ruins, se comunicava com os pais praticamente pelo celular e o principal, passava a maior parte do tempo vestido como o Saiyajin.

Após protestos feito por fãs de cultura pop japonesa, o personagem vem passando por mudanças, como boas notas em matemática e se trajar menos como Goku, por exemplo. É apenas um personagem, entenda. Essas caraterísticas não é sinônimo nem regra para um otaku ou cosplayer ser assim como ele. Afinal de contas, nem todos os otakus/cosplayers são adolescentes, tiram notas vermelhas e ficam atacando de personagem de anime. Certo? Isso está mais ligado à imaturidade do personagem, pela idade dele, como falei numa outra oportunidade por aqui.

Se revoltar, fazer campanha, boicote não passa de uma mera revolta. O argumento mais comum é por ser "personagem da novela da Globo". O que é uma bobagem. Ele poderia ser personagem de uma novela do SBT, da Record TV, da Band e por aí vai. Ia dar no mesmo. Não vou longe. E se ele fosse um personagem de anime? Todo mundo ia rir de boa ou isso seria motivo pra tantos textões nas redes sociais? É algo a se questionar.

Independente disso, a trama de Yuri está rendendo uma coisa bacana. Drico Alves tem reagido bem às criticas e vem criando laços de amizade com vários cosplayers. Isso vale mais que uma base para pesquisa e descoberta do seu próprio Yuri da novela. Aliás, Drico frisou algo em comum entre Yuri e a garotada de hoje em dia: "Esse vício pela internet é bem típico da minha geração. Meus amigos todos vivem conectados".

Viu como não dá pra ter raiva do cosplayers mirim da novela? Pois é. O ator está com toda a razão e é mente aberta. Além do mais, Yuri já rendeu momentos bem engraçados que lembram situações dos desenhos japoneses, se prestarmos bem atenção. O negócio é não levar entretenimento muito a sério.

terça-feira, 30 de maio de 2017

A lenda interneteira entre Dragon Ball Z e o trágico 11 de setembro

Você tem certeza mesmo que viu a transformação de Goku sendo interrompida pelo plantão?

Você lembra exatamente o que estava fazendo no dia 11 de setembro de 2001? Ou melhor, o que estava passando na TV aberta quando vários canais pararam suas respectivas programações quando ocorreram os atentados nos EUA? Se você respondeu "Dragon Ball Z na Globo" você está... redondamente ERRADO. Ou devo dizer que sua memória foi, digamos, trolada por informações errôneas da net afora. Esse é mais um daqueles boato que circulam no meio otaku há algum tempo e acaba pegando desavisados. Bem, mas cá vem este humilde "Mythbuster" ajudar a quebrar esse mito. Então vamos por partes:

Antes de qualquer coisa é preciso lembrar quando Dragon Ball Z estreou na Globo, em qual horário e até quais foram seus antecedentes. Após o fim da reprise de Power Rangers no Espaço, em 29 de junho (sexta-feira) daquele ano, a programação infantil foi reduzida por três semanas. Até esta data, o programa Bambuluá ia ao ar das 9h25 às 11h50 da matina. Sucedendo, de segunda à sexta, o Mais Você (com Ana Maria Braga) e o Praça TV (jornal local). A partir do 2 de julho de 2001 o Bambuluá estreava Digimon 02 e terminava mais cedo, às 11h15 da manhã. Era aí que entrava a Sessão Aventura em sua fase derradeira. Durante três semanas foram ao ar as séries Roswell (segundas-feiras), Sheena (terças-feiras), Parceiros da Lei (quartas), Stargate (quintas) e O Homem-Invisível (sextas). Isso tudo até o dia 20 do mesmo mês e desde então o bloco nunca mais voltou.

Em 23 de julho (segunda) o Bambuluá voltou a ter de volta seus quarenta e poucos minutos cortados pelas séries norte-americanas. Para formar uma dobradinha com a segunda temporada dos seres digitais, a Globo lançou pela primeira vez na TV aberta a saga Majin Boo de Dragon Ball Z. As sagas anteriores foram exibidas de DBZ passaram na Band, além da série completa no canal pago Cartoon Network. Esta saga começa no episódio 200 e ia ao ar sempre de segunda à sexta. Dragon Ball Z sofreu duas pausas na programação durante a exibição dos episódios inéditos daquele momento. Uma no dia 30 de agosto (quinta) em virtude do sequestro de Silvio Santos. E outra em 11 de setembro (terça) devido aos atentados.

É preciso que se diga que Dragon Ball Z JAMAIS passou em nenhuma dessas duas datas de 2001 na Globo. Principalmente em 11 de setembro. Os atentados ocorreram por volta das 9h45 de Brasília (8h45 da Nova Iorque). Uma série de anime estava sim passando na mesma hora e não era na Globo. A Record estava exibindo Sailor Moon R às 9h30 da manhã. Mais precisamente o episódio 12. Foi interrompido pelo plantão da emissora. A segunda temporada de Serena e suas amigas começaram em 27 de agosto de 2001 (segunda) no extinto Eliana & Cia.

Quanto ao DBZ, pela sequencia, estava previsto para ir ao ar no dia 11 de setembro de 2001 o episódio 235 (Vou te comer), onde Majin Boo transformou Dabura em biscoito. Este episódio foi ao ar no dia seguinte, em 12 de setembro (quarta). É só calcular com os dados acima pra comprovar que o quebra-cabeça não está errado. Mas você deve estar se perguntando: "César, eu vi na internet um vídeo onde o plantão da Globo interrompia no exato momento em que Goku se transformava em Super Saiyajin 3". Então, isso aconteceu em Dragon Ball Z no episódio 245 (O Super Saiyajin 3). A exibição do mesmo na Globo aconteceu em 26 de setembro (quarta). Exatos 15 dias após os atentados. E a transformação não sofreu cortes nem nada disso. Aquilo que você deve ter visto por aí é tudo montagem de gente que está usando de má fé. Não faz sentido também por um detalhe: antes das 10h da manhã as principais emissoras já estavam cobrindo o fato histórico. E DBZ começava depois das 11h.

Com isso, não tem como dizer que as aventuras de Goku foram interrompidos no clímax. Se você acreditava nisso até agora, você não está mais trolado. Não é preciso exatamente você ter uma boa memória (ainda que indispensável). Basta questionar, pesquisar com mais profundidade pra não cair em qualquer pegadinha por aí. Com os dados citados acima dá pra se ter um norte para comprovação Mito detonado.

Ah, antes de qualquer coisa, a TV Globinho (não confunda com o Globinho, dos anos 70, ok?) era apenas um quadro do Bambuluá entre julho de 2000 e dezembro de 2001. Substituindo o Angel Mix (apresentado pela Angélica). Curiosamente, foi o período onde a série de anime Samurai X se despedia da programação matinal e dava lugar ao clássico Digimon Adventure, respectivamente. Só a partir do dia 1 de janeiro de 2002 (terça-feira) é que a TV Globinho passou a ser oficialmente contada como um programa próprio na grade da Globo. Um dos destaques do lançamento era Power Rangers o Resgate, pela primeira vez na TV aberta naquela época.

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Em Dragon Ball Super, Freeza será a carta na manga de Goku

Freeza está de volta mais uma vez (Foto: Reprodução/Crunchyroll)

Foi uma surpresa e tanto a decisão de Goku em fechar os dez guerreiros para o torneio. Majin Boo caiu num sono profundo de dois meses e era preciso um guerreiro com grande força para substituí-lo. Yamcha e Mr. Satan estão longe das expectativas e por isso ficaram de fora. O que se espera é que Freeza ao menos coopere com o time do Sétimo Universo e se alie a Goku por um tempo determinado. Certamente haverá um acordo entre os dois. É bom ficarmos atentos no que o vilão pode causar a partir daí.

Parece loucura, mas o Saiyajin sabe muito bem o que está fazendo. O negócio é não falhar, mas Goku está bastante seguro (sua inocência é uma falha e tanto). Isso vai depender também de como isso será contado em Dragon Ball Super. Dá pra notar que Freeza será um tipo de "carta na manga" ou mesmo uma "arma fatal" para o torneio, por ser um dos guerreiros mais fortes. Até sua perversidade vem a ser favorável.

É uma situação acima do inusitado no programa dominical que promete render muito assunto nas próximas semanas.

sábado, 27 de maio de 2017

Tentativa de assassinato contra Jason David Frank mostra o quão a humanidade é insana nas redes sociais

Jason em coletiva de imprensa após o caso (Foto: Reprodução/Fox)

Você deve saber do atentado contra Jason David Frank, o Tommy de Power Rangers, nesta quinta (25), no evento americano Phoenix Comicon. O maníaco entrou disfarçado do anti-herói Justiceiro (nesse caso, ele não merece ser chamado de cosplayer) e tentou matar o ator. Felizmente nada aconteceu com Jason e as pessoas que frequentavam o evento. O mais assustador é que tudo foi premeditado e tinha até data marcada no celular do meliante. Jason David Frank falou em coletiva de imprensa na noite de ontem que isso não o afetou e que vai continuar participando de eventos. Em seguida ele agradeceu o público pela força e pela ação rápida da polícia local.

Era de se esperar que a repercussão rendesse, no mínimo, aquela hateriazinha básica de adulto de 30 e poucis anos (com mente de uma criança de 10). Se você acompanha o fandom de tokusatsu, sabe muito bem do que estou falando. É o caso específico no Brasil, óbvio. Infelizmente ainda tem muita gente imbecil que leva a ficção a sério de mais e fica de piti nas redes sociais. Agora mais bizarro ainda é ver gente brincando com o caso dizendo algo como "Lord Zedd e Rita Repulsa fracassaram" e por aí vai. É só procurar pra ver o nível de insanidade e falta de sensibilidade.

Obviamente não falo de todos, entenda. Existem fãs que se compadeceram do ator e acredito que tem quem não goste de Power Rangers que repudiou a tentativa de assassinato. Existe momento pra tudo na vida. Não é hora de brincar nem nada do tipo agora. O mesmo vale para o caso de Zack Snyder, que perdeu sua filha durante a semana e a tragédia virou alvo de piadinhas sem cabimento. Voltando sobre o caso de JDF, é inadmissível a falha de segurança do evento. Se houvesse mais atenção dos responsáveis na hora da revista, o caos seria evitado.

Cá pra nós, tem certos momentos que não dá pra entender o ser humano.

Fica registrado o apoio deste blogueiro para Jason David Frank, o eterno Ranger Verde. Go Green Ranger!

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Mais Gundam na Crunchyroll e com qualidade HD

Gundam Seed chega ao Brasil

O serviço de streaming dedicado exclusivamente às produções japonesas marcou mais um gol de placa com sua parceria com o estúdio Sunrise. Desde a noite desta quarta-feira (24) o canal lançou mais duas séries Gundam.

Kidou Senshi Gundam Seed (de 2002) e Kidou Senshi Gundam Seed Destiny (de 2005) agora fazem parte do catálogo da Crunchy. E o que é melhor: com qualidade HD remasterizada. As duas séries, por enquanto, estão disponíveis com legendas em inglês. Logo logo estarão com legendas em português.

Na Crunchyroll também estão disponíveis as seguintes séries da franquia: G Gundam (1994), Gundam Wing (1995), Gundam Wing ENDLESS WALTZ (OVA de 1997), Gundam 00 (2007), Gundam Build Fighters (2013), Gundam Build Fighters Try (2014), Gundam Iron Blooded Orphans (2015) e Gundam Unicorn RE:0096 (2016).

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Kamen Rider Ex-Aid já estava indo bem; até que chega Cronus e...

O lendário Kamen Rider Cronus

Olha, Kamen Rider Ex-Aid já tinha melhorado desde o começo do ano - depois dos primeiros episódios exageradíssimo - e de lá pra cá, semana a semana, a série vem surpreendendo. Teve seus altos e baixos como qualquer produção está sujeita a sofrer. Também tem lá os seus exageros (cansei de falar sobre visual, efeitos especiais coloridões e coisas do tipo), mas é coisa que a gente se acostuma. O roteiro sempre tem um peso maior e é o que a Toei vem provando nas manhãs de domingo.

Ex-Aid melhorou com a volta de Dan Kuroto, o Kamen Rider Genm. Foi um mal necessário para salvar Emu das mãos de Pallad. Como resultado, Kuroto está ajudando os heróis para "zerar" o perigoso game Kamen Rider Chronicle e vai pagar pelos seus crimes após o desfecho. Engraçado é que Kuroto ficou engraçado, mas sem muito exagero. Disse que mudou de nome para "Shin Dan Kuroto". Que coisa, não? Falando em engraçado, Poppy Pipopapo ficou mais condizente com a fase atual. Nem o traje espalhafatoso da personagem incomoda mais. Eu diria que ela está no ponto.

E desde o episódio de domingo (21) a série promete melhorar com a investida do pai do (ex) vilão. Masamune Dan, Kamen Rider Cronus. Seu poder de controlar o tempo (como o nome sugere) e já fez estrago suficiente pra mostrar do que é capaz. Kamen Rider Ex-Aid abre o ciclo para seu final, que deve acontecer em setembro. A quem está perdendo, deixo minhas sinceras condolências.

terça-feira, 23 de maio de 2017

Roger Moore foi o melhor James Bond da era clássica

Sir Roger Moore foi o terceiro James Bond da franquia da MGM (Foto: Divulgação)

Foram vários atores que viveram James Bond ao longo destes 55 anos de franquia, produzida pela MGM. Sean Connery foi o primeiro dessa leva. Seu jeitão consagrou a imagem do 007 que conhecemos e é um dos mais próximos à origem criada por Ian Fleming. A era de Connery como Bond teve um hiato em 1969 com a participação de George Lazenby, que deu uma interpretação seca e sem graça ao agente secreto no filme A Serviço Secreto de Sua Majestade

Só que depois Connery e Lazenby, um novo ator foi escalado para dar continuidade. Era Roger Moore, conhecido por atuar em filmes da própria MGM e também da Warner Bros. Dentre as produções deste último estúdio, o ator apareceu num dos episódios da série Alfred Hitchcock Presents (apresentada pelo próprio cineasta de filmes como Psicose). Porém o sucesso veio em 1960 na série Maverick, em 1962 na série britânica O Santo e em 1971 na série The Persuaders!.

Foi em 1973 que eramos apresentados a Roger Moore na franquia 007. Não foi uma tarefa fácil substituir Connery. Demorou um pouco para o então novo rosto de Bond cair no gosto do público. Os filmes foram mais ousados e aventureiros. Essa característica ficou atrelada à imagem de Roger Moore como Bond e deu charme para os filmes que seguiram durante 12 anos.

Roger Moore imortalizou o papel de James Bond em sete filmes. São eles: Com 007 Só se Viva e Deixe Morrer (de 1973), 007 contra o Homem com a Pistola de Ouro (de 1974), 007 - O Espião que me Amava (1977), 007 contra o Foguete da Morte (1979), 007 - Somente para seus Olhos (1981), 007 contra Octopussy (1983) e 007 - Na Mira Dos Assassinos (1985). Curiosamente o penúltimo filme veio no mesmo ano de 007 - Nunca Mais Outra Vez. Um filme não-canônico que trouxe de volta Sean Connery no papel principal. Em 1979, Moore esteve no Rio de Janeiro para gravar uma das cenas de 007 contra o Foguete da Morte onde Bond enfrenta o clássico vilão Jaws. Em 1991 esteve no Ceará numa missão da UNICEF e foi ele quem, na ocasião, empossou Renato Aragão como embaixador da instituição.

Pra mim, Sir Roger Moore foi um dos melhores James Bond do cinema e foi o mais estiloso. Os filmes de sua era são meus favoritos. Talvez por O Espião que me Amava ser o primeiro filmes que acompanhei quando criança e ainda existia a dublagem clássica. Ele foi e ainda é uma forte referência ao personagem que caracteriza bem o título de galã.

Roger Moore morreu na manhã desta terça-feira (23) na Suíça. Ele estava em tratamento contra um câncer.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Tatsuya Nomi deu vida a um dos melhores heróis das séries Super Sentai

Tatsuya na pele de Daigo, em Dairanger

Voltando do fim de semana fui pego pela notícia da morte do ator Tatsuya Nomi. Dentre as séries tokusatsu, ele ficou conhecido como Daigo, o Shishi Ranger de Dairanger, série Super Sentai de 1993. Nomi deu vida a um dos grandes personagens nesta importante série da Toei.

Daigo era tipo de rival que sempre se destacava. Era o segundo no comendo do Esquadrão Cinco Estrelas. Seus momentos mais intrigantes em Dairanger, sem dúvida alguma, eram suas reações quanto à paixão proibida entre ele a divindade Kujaku. Algo que chegou aos pés de Jetman e que rendeu vários momentos de deixar o espetador na ponta do sofá. Tatsuya também participou brevemente de outras séries da franquia como Hurricaneger, como uma das faces de Shurikenger e em Boukenger.

Tatsuya Nomi cometeu suicídio aos 47 anos na última quinta-feira, dia 18 de maio. A nota foi divulgada dois dias depois através do seu irmão via Twitter. Este é mais um ator que comete suicídio, ao lado de Shogo Shiotani, o Marte de Cybercop. Aliás, ambos tem em comum, tanto pela cor de uniforme quanto pela personalidade forte dos seus respectivos personagens.

Shishi Ranger, o segundo herói do esquadrão Dairanger

Yamcha vira zera à esquerda e é esquecido no Torneio do Poder em Dragon Ball Super

Coitado do Yamcha, está tão entediado... (Foto: Reprodução/Crunchyroll)

É engraçado como Yamcha foi deixado pra trás neste torneio que vai decidir o destino dos 12 Universos. Há alguns episódios ele vem esperando um convite de Goku para participar. Mas nada deve se concretizar. O time está fechado em 10 guerreiros.

O problema é que Majin Boo caiu num longo sono e a hibernação acaba em dois meses. Quem acompanha as notícias sobre Dragon Ball Super sabe que quem irá substituí-lo será um vilão clássico (se você evita spoilers, não vou citar o nome agora). E nada de Yamcha ser lembrado. Talvez o próximo episódio cause aquele constrangimento básico das séries de anime onde um personagem é esquecido. Tipo um "como poder ter ido sem mim" ou algo do tipo. Vai ser curioso. O resultado é previsível, mas a reação do guerreiro Z deve ser risível.

É bom lembrar que Yamcha é (ou foi) um personagem valoroso na franquia Dragon Ball. Foi rival de Goku quando ele ainda era criança, namorou Bulma, foi sacrificado na saga dos Saiyajin junto de Piccolo, Tenshihan e Chaos (os dois primeiros estarão no torneio). Sendo ressuscitado logo após.

Estou curioso pra saber qual será a desculpa pro Yamcha ficar de fora de vez. Será questão potencial? De chi? Vai ficar de fora por casualidade? Aguardemos o próximo episódio.

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Nova temporada de Supernatural terá crossover com Scooby-Doo

O encontro entre os Winchester e Scooby

Parece piada de 1 de abril, mas é oficial. O upfront do canal The CW anunciou nesta quinta-feira (18) que a 13ª temporada de Supernatural fará um crossover com nada mais e nada menos que... Scooby-Doo.

Isso mesmo. Os Irmãos Winchester terão um episódio animado com o cão que investiga casos sobrenaturais junto com Salsicha e cia. Não há maiores detalhes no momento e tais deverão aparecer ao longo do hiato das temporadas das séries americanas.

Supernatural retorna aos EUA em outubro.

Otakus denunciando a Crunchyroll por advertência passa do cúmulo da imaturidade

Naruto e sua turma

Isso foi assunto da semana no meio "otaku", principalmente entre os fãs do anime Naruto. Um canal de vídeos no YouTube chamado Animaction Mania exibia lives com episódios de Naruto Shippuden. Quem tem os direitos de exibição no Brasil - via streaming - é o canal Crunchyroll. Não deu outra. O canal de vídeos levou aquele strike como advertência e teve seus vídeos apagados.

Como se não fosse o bastante, o dono do canal ficou fulo da vida, mencionou vários impropérios e até tentou denunciar a própria Crunchyroll. (Oi???) Ué, denunciar pra que? A Crunchy tem direitos de Naruto de mais algumas séries no Brasil e em outros países. Então pra que se revoltar, né?

A revolta dos "otakinhos de plantão" só dá motivos de mais risada. Tá na cara que a atitude é, no mínimo, infantil/adolescente e sem informação alguma sobre direitos autorais. Pro bem ou pro mal, o YouTube tem suas regras. Existem trabalhos de divulgação que são confundidos pelo YouTube e acabam sendo limados por direitos autorais. Agora uma outra coisa é exibir uma live ou passar episódios isolados na íntegra de uma série que tem acesso oficial por aqui.

Essa resistência dos "otakinhos" (claro, não falo de todos) é antiga e vem desde o lançamento da Crunchyroll em 2012. Quem acompanhou na época deve ter visto um clássico vídeo onde um adolescente reclama pelo lançamento e ainda disse que o canal não iria fazer sucesso. (Oi??? 2, a missão) Ledo engano. A Crunchyroll continua firme e forte em quase 5 anos de estrada no Brasil e um dos resultados é a queda da pirataria das séries de anime.

Entenda, aqui não é nenhuma propaganda, merchan ou qualquer coisa do tipo. É apenas uma análise de um mero espectador que também curte o canal. Pecado nenhum até aí. O problema mesmo é que estamos falando de fãs de Naruto. E encontrar alguém que apoie materiais oficiais nesse meio "naruteiro" e que tenha senso e maturidade pra entender como o mercado funciona é uma mina de ouro. O fiasco do recente filme do ninja loiro por aqui é um retrato disso que estou falando.