sexta-feira, 20 de maio de 2016

Revisitando os Ultra filmes no Brasil #8 - Ultraman Zero: A Vingança de Belial (2010)

Zero em sua aventura própria

Em comemoração dos 45 anos da série Ultraman, a Tsuburaya apostou numa sequencia de Mega Batalha na Galáxia Ultra. Em 23 de dezembro de 2010 (sim, as comemorações começaram antes de 2011 começar) estreou nos cinemas japoneses o filme Ultraman Zero: A Vingança de Belial. Diferente da concorrência no ano anterior, este foi lançado cinco dias após a estreia de Kamen Rider × Kamen Rider OOO & W Featuring Skull: Movie War Core, da Toei Company, e em plena quinta feira - feriado do dia do aniversário do atual Imperador Akihito). Como o próprio título sugere, o filho de Ultraseven está de volta e também o arqui-inimigo do filme anterior. É também o segundo da trilogia Zero. O filme não apenas deixa explicito como também firma de uma vez por todas o conceito dos multiversos (multi universo na dublagem). Um diferencial que enriquece a franquia diante dos arrimos da Toei (Kamen Rider e Super Sentai).

Kaiser Belial (outrora Ultraman Belial) agora comanda duas tropas de robóticas: os Legionoids e os Darklops (estes últimos são os versões robóticas descaradas e "caolhas" de Zero). Na Nebulosa M-78, mais precisamente no País da Luz, houveram ataques. Além do planeta Esmeralda. Para impedi-lo, Ultraman Zero parte em busca do Escudo de Baradhi, que esconde um grande poder, e ele atravessa a barreira que liga outros universos paralelos. Em seu pulso, o então caçula carrega o Bracelete Zero (referência ao Ultraman Jack, de O Regresso de Ultraman), que só pode ser usado apenas 3 vezes.

Ao chegar em Esmeralda, Zero salva um humano chamado Run e passa a habitá-lo em simbiose. Run fugiu com seu irmão mais novo Nao dos ataques de Kaiser Belial. Durante a jornada eles conhecem a Princesa Emerana, que também é refugiada. Ela viaja através da nave Star Corvette Jean-bird que possui inteligência artificial e pode se converter no robô gigante Jean-bot. No meio da jornada, Ultraman Zero conhece o pirata espacial Glen Fire e o gigante prateado Mirror Knight.



O diretor Yuichi Abe deixou o trabalho mais primoroso do que Mega Batalha na Galáxia Ultra. A Vingança de Belial dispensou um pouco as tradicionais maquetes e continuou com cenários de batalha em CGI (imagem gerada por computador) e efeitos especiais de encher os olhos d'água. Sem mencionar que o filme tem um charme que lembra muito Star Wars através de alguns elementos.

A Família Ultra aparece rapidamente, mas Seven (Kohji Moritsugu apenas empresta a voz ao seu herói) é o que mais aparece. Apesar de falas curtas, o ator Hatsunori Hasegawa e a atriz Sayoko Hagiwara voltam a interpretar o Ultraman 80 (Eighty) e Yullian, respectivamente. Ambos da série Ultraman 80, atualmente disponível no Brasil pela Crunchyroll. O publico brasileiro lembra de Sayoko pela vilã Nefer da série Flashman, exibido pela Manchete, Record e CNT/Gazeta. O restante do elenco (de dublagem japonesa) é o mesmo do filme anterior.

O destaque fica mais uma vez para o seiyu Mamoru Miyano, que deixou sua marca na imagem do herói-título do filme. Gosto demais de sua interpretação que é ímpar e carismática. Pra quem não conhece o seu trabalho, procure animes como por exemplo em Death Note, Dog Days e no novíssimo AJIN: Demi-HUman (leia mais aqui).

Infelizmente não dá pra dizer o mesmo do seu "hospedeiro", o ator Yu Koyanagi. Tem beleza, charminho de agradar a mulherada, mas não tem muita expressividade. Está longe de chegar aos pés de Miyano. A atriz Tao Tsuchiya brilhou como um colírio vivendo como Emerana. Mas seu papel mais conhecido é como Makimachi Misao, nos dois últimos filmes live action de Samurai X (atualmente disponíveis na Netflix).



Agora vai uma curiosidade indispensável pra qualquer fã de tokusatsu: os heróis Mirror Knight, Glen Fire e Jean-bot foram baseados nos heróis Mirrorman (1971-72), Fireman (1973) e Jumborg Ace (1973). Todos eles Kyodai Heroes (heróis gigantes) da Tsuburaya. O seiyu de Mirror Knight é Hikaru Midorikawa, que dublou o Gridman na série Denkou Choujin Gridman (Super Human Samurai no ocidente) e trabalhou em algumas locuções nas Ultra Series. Já Glen Fire foi dublado por Tomokazu Seki, o Momotaros de Kamen Rider Den-O. e E Jean-bot por Hiroshi Kamiya, o Koji MInamoto/Wolfmon no anime Digimon Frontier.

É bom prestar atenção também num determinado elemento que faz uma breve ligação com a série Ultraman Nexus (em breve no Brasil via Crunchyroll) que deixa mais pistas sobre a existência de outros Ultras além do universo original de M-78. A Vingança de Belial rendeu um desfecho tenso e aventureiro que pode ser apreciado isoladamente. As crianças devem curtir bastante e pode ser mais uma produção que desperta a curiosidade do espectador para ir atrás e pesquisar mais sobre Ultraman.

Ultraman Zero: A Vingança de Belial rendeu um especial direto-para-vídeo intitulado Ultra Galaxy Legend Gaiden: Ultraman Zero vs. Darklops Zero, dividido em duas partes chamadas "stages". Cada uma delas foram lançadas respectivamente em novembro e dezembro de 2010, para promover o filme nas vésperas de lançamento. Este especial foi exibido no Brasil pelo canal pago Max, do grupo HBO, em março de 2014 apenas com áudio original e legendas em português.

Falando em Brasil, o filme Ultraman Zero: A Vingança de Belial chegou por aqui em DVD e Blu-ray pela Focus Filmes em meados de 2012 com áudio em japonês e dublagem brasileira da Dubrasil/Rio Sound. Estreou no Max na noite de 13 de fevereiro de 2014 (apenas com áudio japonês e legendas em português) e está disponível atualmente via streaming pela Netflix desde 15 de dezembro do mesmo ano (OBS: Deverá sair do catálogo em 15 de junho junto de mais quatro filmes do Ultraman).

Alfredo Rollo conseguiu pegar um o tom certo para Ultraman Zero e o deixou com menos jeitão de Vegeta (de Dragon Ball Z). Não que em Mega Batalha na Galáxia Ultra sua interpretação fosse ruim, mas foi bem engraçado (no lado bom da coisa). Os demais Ultras retornam do filme anterior, com adição de Fábio Matsuoka e Vânya Kizzy como Eighty e Yullian respectivamente. Do trio que acompanha Zero estiveram Fábio Castro (Mirror Knight), Felipe Grinnan (Glen Fire) e Rodrigo Araújo (Jean-bot). Gosto da interpretação de Grinnan desde os tempos de Power Rangers Turbo e Power Rangers no Espaço, como o T.J. Mas o tom meio malandrão de Glen Fire não convence. Não sei o que houve com Grinnan nesse trabalho. Agora outro destaque que fica ao lado de Alfredo Rollo é o dublador Antônio Moreno (o Bison em Street Fighter V) que foi impecável mais uma vez como Belial.

Este foi o último trabalho da Dubrasil/Rio Sound com Ultraman. O filme seguinte, Ultraman Saga, foi dublado no estúdio LexxÉ assunto pra semana que vem na última resenha desta seção.

Nenhum comentário:

Postar um comentário