sexta-feira, 7 de novembro de 2014

EXCLUSIVO! Entrevista com William Kawamura, da dupla Larissa e William

William fala pela primeira vez em público após 18 anos do fim da dupla

ATUALIZAÇÃO (11/11): Inserção de fotos do acervo pessoal de William

Este é o Blog DAILEON! E hoje trago pra vocês a nossa primeira entrevista, hoje com William Kawamura, estreando aqui o nosso bloco de entrevistas. Ele que juntamente com Larissa Tassi formaram a dupla Larissa e William (leia mais sobre a dupla aqui) no ano de 1995. Os dois são responsáveis pelo sucesso do anime Os Cavaleiros do Zodíaco nas emissoras de rádio de todo o Brasil, com o tema nacional de abertura, que foi exibido na Rede Manchete. Um fenômeno jamais visto e repetido neste meio de comunicação. A dupla seguiu por todo o país fazendo shows e cantando as músicas de Seiya e seus amigos. A dupla vendeu cerca de 1 milhão de cópias do álbum dedicado aos heróis da TV, o que lhes renderam Discos de Ouro, Platina e Platina Dupla. Sem contar pelas passagens por vários programas de TV.


Acompanhe a entrevista também através do YouTube:


A dupla se separou. Larissa continua em carreira musical, e William está afastado dos holofotes. Mas hoje ele está aqui pra nossa primeira entrevista exclusiva do blog. Orgulhosamente, com EXCLUSIVIDADE!!!


William Kawamura, seja bem-vindo ao Blog DAILEON.


Olá, César. Olá a todos os fãs de Cavaleiros do Zodíaco. É uma honra. É a minha primeira entrevista depois de quase 18 anos de silêncio. Bom, estamos aí pro que der e vier.


Quando foi o seu primeiro contato profissional com a música?


A primeira vez que tive contato com a música eu tive ao dez anos de idade. Cantava em festivais na escola e sempre cantei, fazia apresentações, alguns teatros e tal. Mas diretamente com a música mesmo, profissionalmente, foi no momento em que conheci a Larissa. Fiz alguns concursos de cantores mirins e com isso acabei conhecendo a Larissa, acabei me interagindo mais com o mundo da música, com programas de TV e com apresentações gerais.



Conta pra gente como você e a Larissa foram escalados pra cantar temas nacionais dos Cavaleiros?


Foi assim. Eu e a Larissa, como falei antes, participávamos muito de apresentações em praças públicas, concursos de cantores mirins. E a gente ficou sabendo sobre um teste que o Estúdio Mosh, um famoso estúdio que fica em São Paulo, estava fazendo testes para formar o novo Trem da Alegria na época. Ou seja, no caso, dois meninos e uma menina. E nessa época nós fizemos o teste. Entramos em estúdio com mais de duas mil, duas mil e quinhentas crianças. Não lembro a quantidade certa de crianças. E por eliminatória ficou eu, a Larissa e mais um menino. Não sei o que aconteceu na época. Não sei se ele desistiu ou se cortaram ele. Sobraram eu e a Larissa pra poder formar, até então, o Trem da Alegria da nova geração, na época. Isso em 1994-95. Com o sucesso estrondoso que tava fazendo Os Cavaleiros do Zodíaco, eles resolveram formar uma dupla e acabou acontecendo. Gravamos inicialmente as três primeiras músicas do CD do anime, depois gravamos o restante das músicas por causa do grande sucesso que também teve o CD.



Quais as expectativas que a dupla tinha em interpretar músicas dedicadas a um desenho japonês que estava sendo uma grande febre em todo o Brasil?


Inicialmente a gente não teve expectativa nenhuma. Era pra ser o Trem da Alegria, como falei, mas a gente acabou gravando as três primeiras músicas do CD dos Cavaleiros do Zodíaco, que seriam as principais músicas. Eram "Os Cavaleiros do Zodíaco", "Seiya, o Cavaleiro de Pégaso" e "Saori". A gente só ia fazer um projeto piloto. É aquele tipo de CD que é cantado por vários intérpretes. Então, se você for ver, o CD é assim. Por causa do grande sucesso do desenho em si e da música, todo mundo queria saber quem cantava e eles resolveram lançar a dupla como os cantores oficiais das músicas do seriado da TV, até então. E com isso a gente a gente acabou se apresentando como dupla, regravamos as demais faixas do CD, já como Larissa e William, os cantores das demais músicas, e foi assim que aconteceu. Foi muito meteórico e muito rápido. A gente não tinha noção do que tava acontecendo na época. Depois de algum tempo, depois de shows que a gente fez por todo o Brasil, é que a gente foi entender a dimensão do sucesso de Cavaleiros do Zodíaco é hoje e naquela época e, na minha opinião, foi até mais.



Você imaginava que a música de trabalho, que foi tema de abertura na extinta Rede Manchete, pudesse fazer tanto sucesso nas emissoras de rádio como fez?


Cara, imaginar jamais! O máximo que pensei que ia acontecer é que ia ter uma certa referência devido ao anime. Mas nunca imaginei que ia ser uma febre meteórica do jeito que foi. Nunca ia imaginar isso. Mesmo porque foi uma verdadeira avalanche de sucesso na época. Tanto é que gerou muitos prêmios. Disco de Ouro, Disco de Platina... Imaginar mesmo que seriam nessas proporções, jamais. Um dia desses eu tava olhando no YouTube um documentário referente a isso, e mesmo eu estando no meio daquilo eu não tinha a mínima noção do tão meteórico que era o sucesso. Aliás, eu até recomendo ver o vídeo. Chama-se A Força de Pégaso no Brasil. Meu, chega a dar nó na garganta de tanta emoção.



William, você lembra de algum fato curioso do tempo em que você cantava na dupla?


Um fato curioso não, mas um fato engraçado. Quando eu fui fazer o teste, me falaram que eu ia gravar a música dos Cavaleiros do Zodíaco, que já era sucesso antes mesmo de ter sido lançada essa música, que seria referente à "segunda temporada" na Manchete. Eu lembro que o Dalmo Beloti, que era o produtor da Sony Music na época disse: "Olha, não vai ser mais o Trem da Alegria". E a gente disse: "Ué, não vai ser mais? Como assim?". E ele disse: "Vocês vão gravar as músicas dos Cavaleiros do Zodíaco". Eu lembro que minha reação na hora que eu ouvi isso eu falei: "Nossa, aquele desenho chato? Que desenho ridículo! O cara solta raio pela mão. Desenho mentiroso do caramba." E a mãe tava do meu lado e me deu um beliscão e disse: "Cala a boca! Fica quieto! O que você tá falando?". (risos) Depois que a gente gravou a música dos Cavaleiros, eu comecei a assistir todo o dia a Rede Manchete, todo o dia eu assistia um episódio do anime só pra ver se lançavam logo a música. Eu tava ansioso e ficava assistindo, mais pra ver se eles lançavam logo a música que eu tinha cantado, porque era essa a minha intenção. Assistir o desenho, mas era pra ouvir a música de abertura. Meu, do nada. Me apaixonei. Virei um dos maiores fãs de Cavaleiros do Zodíaco, só por causa disso. Esse é que é o fato engraçado. (risos) Hoje em dia acompanho Os Cavaleiros do Zodíaco. Ainda não tive oportunidade de ver o filme que estreou no cinema (Os Cavaleiros do Zodíaco: A Lenda do Santuário). Eu tô louco pra assistir, apesar das críticas monstruosas que tem. (risos) Mas me tornei um fã de carteirinha. Acho que um dos maiores fãs de Cavaleiros do Zodíaco.



William, agora fale um pouco sobre a Larissa Tassi. Você ainda tem contato com ela hoje em dia?


Olha, pessoalmente não. Mantive contato com ela mais pelo Facebook, por inbox. Há uns dois anos atrás a gente se falou por telefone. Toda a vez que eu a Larissa nos falamos por telefone a conversa dura mais ou menos uma hora e meia ou duas horas. Mas pessoalmente não. A gente se fala muito pouco. Foi só dessa vez mesmo que por telefone e a gente falou por bastante tempo. Já faz uns dois anos. Mas contato, contato mesmo a gente não tem mais não.



Quais as recordações que você guarda da passagem da dupla pelos programas de TV da época? Há alguma lembrança em especial?


Um em especial e inesquecível, cara. Quando eu era calouro, eu fui no (Programa) Raul Gil. A primeira vez que eu fui como calouro. Eu tava tão nervoso na época, mas tão nervoso que eu acabei cometendo alguns erros na hora que eu comecei a cantar com a banda e o Raul Gil me mandou sair do palco e interrompeu a banda. Ele falou que eu era ruim. E eu chorei muito, me senti humilhado pra caramba. E depois que eu gravei o (single) "Cavaleiros do Zodíaco" junto com a Larissa, a gente acabou indo também no Raul Gil. E eu tenho certeza que quando ele me viu ele me olhou ele lembrou do que ele fez. Então, foi gratificante pra mim saber que eu voltei no programa dele como profissional, sendo que ele já tinha me barrado como amador. Como calouro, no caso. Inesquecível é claro que foi quando tivemos oportunidade de ir no programa da Xuxa e gravamos três Xuxa Hits. Um da época dos Cavaleiros do Zodíaco, que foi um estrondo. Tanto que tem o vídeo da dupla Larissa e William no Xuxa Hits. Quem procurar no YouTube vai encontrar. E também no segundo álbum que eu e a Larissa gravamos. Foi assim, inesquecível, cara.



Nossa! Momentos bem curiosos. Queria que você contasse algum momento marcante que não saiu mais da sua cabeça.


Naquela época teve o Programa Livre com o Serginho Groisman, que era no SBT ainda. E a gente recebeu Disco de Ouro ao lado de Sandy & Júnior e de vários outros artistas mirins da época. Foi muito gratificante. A gente ganhar na frente de Sandy & Júnior não é pra qualquer um. Outro momento marcante foi no show de Tocantins, que foi um recorde de público. Eu não vou saber te dizer agora qual o número exato de pessoas que tinha no show. Mas foi o recorde que a gente teve. E também, outro momento marcante, foi em Campina Grande, na Paraíba, quando a gente fez um show no Spazzio (casa de shows). Eu não sei se ainda existe hoje. Teve o show de Larissa e William o no dia seguinte teria o show do Roberto Carlos. Então, pra mim foi assim, dividir o palco e cantar no mesmo palco que cantou Roberto Carlos foi muito forte.



Recentemente o anime completou 20 anos no Brasil. Pra você, qual a importância de Cavaleiros do Zodíaco atualmente?


Olha, eu posso dizer que a extinta Rede Manchete foi uma das emissoras mais inteligentes. Apesar de não ter conseguido se manter e ter fechado as portas, foi uma emissora porque ela soube aproveitar o que o anime e o que Os Cavaleiros do Zodíaco representavam para as crianças e os adolescentes na época. Hoje em dia, não vou dizer que as outras não sejam inteligentes, mas as emissoras de TV hoje não estão mais interessadas em um sucesso meteórico de anime. O que interessa pra eles é mais essa coisa de Funk ostentação, coisas que são apelativas pro público em si. Cavaleiros do Zodíaco nunca foi apelativo. Simplesmente chegou, ficou e dominou a parada na época. E se tivesse uma boa divulgação hoje, por exemplo, do filme que foi pro cinema, Os Cavaleiros do Zodíaco: A Lenda do Santuário, com certeza estaríamos vendo aí mais um sucesso meteórico. Porque até hoje em dia até o próprio Masami Kurumada ele fez Os Cavaleiros do Zodíaco Omega, a qual já foi dublada pelo estúdio DuBrasil. Se tivesse uma certa divulgação e um certo investimento, garanto que teria muito mais coisa pra gente ver de Cavaleiros do Zodíaco no Brasil. E quanto aos 20 anos do anime, fiquei sabendo de um evento que está tendo, Cavaleiros In Concert, o qual eu não estou incluso. Sendo que eu deveria estar incluso, mas isso já é um outro assunto. 20 anos de Cavaleiros do Zodíaco não é pra qualquer um, não é qualquer anime, não é qualquer desenho. Acho que a única coisa que repercutiu tanto e que hoje o pessoal assiste é o Chaves, que dá pra se comparar assim. Mas nem se compara, claro. Cavaleiros do Zodíaco é completamente diferente.




William, estamos quase terminando nossa entrevista. Muitos fãs se perguntam: "Onde está o William?". Então, como é que está o William depois de 18 anos fora da mídia?

Eu estou estudando radiologia. Sou empresário. Tenho o meu próprio negócio. Não fico parado, cara. Claro que eu tenho vontade sim de voltar a cantar, mas acho que está muito disputado. Eu tenho três filhos hoje: O Cristian de 10 anos, o Pietro de 4 anos e o Brian de 4 meses. Então eu tô priorizando mais os meus filhos em dar uma boa vida e uma situação legal pra eles pra eles poderem correr atrás dos sonhos deles mesmos. Tô tocando a loja, eu faço alguns serviços externos, já fui coordenador de negócios também pela Honda Brasil. E é isso, cara. Se surgir uma oportunidade de voltar a cantar, é claro que eu vou abraçar. Eu sempre gostei disso. Referente ao Cavaleiros In Concert, fica aí a minha opinião. Se eu não me engano estão Edu Falaschi, Rodrigo Rossi, Ricardo Cruz, Larissa Tassi fazendo alguns shows pelo Brasil usando o nome Cavaleiros do Zodíaco. E eu deixo a minha opinião. Eu acho que eu tenho que estar no meio desse Cavaleiros In Concert, porque, queria ou não, quem iniciou tudo isso foi Larissa e William.


William, eu quero agradecer, em nome de todos os fãs de Cavaleiros do Zodíaco, de toda a Geração Manchete que acompanhou você e a Larissa, por nos conceder esta importante entrevista. Que inclusive é a primeira do blog. Então, eu queria que você deixasse um recado para os fãs da série e da dupla Larissa e William.


Bom, eu é que agradeço pela entrevista e pela oportunidade de você ter me dado pra falar aqui realmente o que aconteceu na época, qual foi a repercussão disso, e como eu estou hoje. Aos fãs de Cavaleiros do Zodíaco, muito obrigado. Continuem curtindo. Eu sei que vocês gostam muito da série em si. Curtiu e ainda curte até hoje a dupla Larissa e William, apesar dela não existir mais hoje. E o que eu tenho pra falar é o seguinte: Me aguardem. Eu pretendo sim voltar pra essa parte de Cavaleiros do Zodíaco. Pretendo também fazer parte do Cavaleiros In Concert. Tô tentando entrar em contato com o pessoal, mas essa é a minha intenção. É voltar aos tempos de Cavaleiros do Zodíaco. Me aguardem fãs. Um beijo pra todos, um abraço, fiquem com Deus.

*Entrevista realizada em 25 de outubro de 2014.




2 comentários:

  1. você é parente dele ?
    https://pt.wikipedia.org/wiki/C%C3%A9sar_Filho

    ResponderExcluir
  2. Olá, Stefano. Não sou parente do César Filho (do SBT), mas sou xará dele. rsrs...

    ResponderExcluir