sexta-feira, 1 de abril de 2016

Revisitando os Ultra filmes no Brasil #4 - Ultraman: The Next (2004)

Uma nova encarnação do gigante prateado no início do século

Depois da triste passagem de Ultraman Tiga na Rede Record (leia mais aqui), o guerreiro da luz teve uma única exibição na Rede 21 em 2005. No ano seguinte, a marca Ultraman teve uma sobrevida no Brasil com o lançamento de dois filmes da franquia em DVD via Impact Records. O primeiro foi Ultraman Tiga: A Odisseia Final, que nada mais era que um epílogo do último Ultra exibido na TV brasileira. O segundo título trazia um herói inédito em nosso país com visual e conceitos diferenciados de tudo o que ouvimos falar até então sobre os gigantes prateados.

Se você, por acaso, é daqueles que zoa com tudo o que é tokusatsu e acha que todo filme com maquetes é tosco, então assista Ultraman: The Next e reveja os seus conceitos. Na realidade o filme consegue agradar não apenas aos fãs do astronauta vindo da Nebulosa M-78, mas leva algum leigo ou um aficionado por ficção científica e suspense a ter uma boa experiência com um filme do estilo com um toque mais sombrio/adulto. Digno de nível cinematográfico.

O filme não tem quaisquer relações com as produções anteriores e serve como um prólogo de uma série de TV contemporânea. Shunichi Maki (Tetsuya Besshô), um piloto de caça, está prestes a se aposentar para cuidar de seu filho que sofre de uma doença rara. Sem esperanças, ele decide passar mais tempo com sua família e consegue um trabalho onde pode conciliar seu tempo livre. Numa última missão, o jato de Maki sofre uma colisão com um estranho meteoro e desaparece. Misteriosamente o piloto é salvo por um gigante que se une a ele em simbiose.

Após o milagroso evento, a cientista Sara (Kyoko Toyama) sequestra Maki. Em troca de sua liberdade, o jovem se vê em uma missão onde terá que lutar contra uma criatura chamada The One. Trata-se de uma um humano que foi irradiado por um meteoro semelhante de outrora. A vítima é o militar Udo (Kenya Osumi), namorado de Sara, que muda completamente de personalidade e se transforma num horrendo monstro. Na primeira batalha, Maki sofre sua primeira transformação e assim é batizado como The Next.


The Next em sua primeira luta contra o horrendo The One

Apesar do pano de fundo sombrio, a violência do filme é leve, talvez para conciliar os públicos jovem de então e adultos de antigas gerações. Ultraman: The Next começa com um conceito antigo. O velho clichê em que um humano é salvo da morte por um Ultraman. Isso é tradição em quase todas as séries da franquia. Só que há vários elementos de Ultraman que ficam de fora para dar espaço a outros. Repare, por exemplo, que no filme não tem nada de uma organização anti-monstros. Ou melhor, tem, mas tudo secreto, pequeno, improvisado, e muito mais voltado pro lado pessoal. O visual do herói é dark e sofre mutações a cada transformação, como um aumento de nível. O mais legal é que as primeiras batalhas acontecem em campos fechados e com perspectivas atípicas de ângulos. A luta final acaba numa maquete muito bem feita e com um belíssimo pôr do sol (do jeito como um bom tokusatsu deve sempre ser).

Um outro ponto que diferencia de outras produções é que o hospedeiro de The Next é casado, pai de família, e tem de conciliar entre o drama familiar e a defesa do Japão contra uma criatura mutante. O que é ótimo, junto com o subtrama de Sara que vive um dilema sobre salvar o seu namorado e o remorso de não ter impedido o caos quando teve oportunidade. Ultraman: The Next é uma excelente amostra para apresentar a Família Ultra para os marinheiros de primeira viagem e se divertir com um tradicional filme de monstros melhorado. Surpreendente é pouco para descrever o filme.

Ultraman: The Next (ULTRAMAN no original) é fruto do Ultra N Project, um audacioso e milionário projeto da Tsuburaya que procurou alcançar um público mais maduro. Tal projeto inclui a série televisiva Ultraman Nexus (em breve no Brasil através do serviço de streaming Crunchyroll), que dá continuidade em cinco anos após os eventos do filme e contou com diferentes hospedeiros. Infelizmente o projeto não vingou e a Tsuburaya voltou às origens produzindo séries como Ultraman Max e Ultraman Mebius (também disponíveis no Brasil através da mesma plataforma de streaming).

A trilha sonora ficou por conta do guitarrista Tak Matsumoto, astro do pop rock local e membro da dupla musical B'z. Sua banda, a TMG (Tak Matsumoto Group), ficou responsável pelo tema de encerramento "Never Good-bye". Por ser um grande astro no Japão, a contribuição de Matsumoto foi mais comentada entre o público do que a própria produção em si. Sobre isso, a direção foi do veterano Kazuya Konaka, que já trabalhou em diversas produções de Ultraman e conseguiu um grande feito com as sequencias de ação. Mas não teve êxito com alguns atores que tiveram atuações um tanto apáticas. É o caso da atriz Kyoko Toyama que sequer moveu um músculo facial para se expressar e passar mais emoção como a cientista que sofria ao ver o seu namorado transformado num demônio. Felizmente o ator Tetsuya Besshô passou uma interpretação mais madura e dando a impressão de atuar num típico filme de ação/suspense.

Em 2011 a Focus Filmes lançou um pacote com sete filmes da Família Ultra, incluindo relançamento dos títulos trazidos pela Impact Records. Nenhum dos dois lançamentos trouxe extras, infelizmente, como no caso do material original (que teve trailers e making of do filme). A capa da Impact Records não chamava atenção, mas a Focus deu uma caprichada nisso. Coisa que ela não fez com o conteúdo. No relançamento, o formato de tela é de Letterbox 4:3, ao invés do Widescreen 16:9 (que é o correto). O mesmo erro foi cometido pela empresa nos três filmes anteriores e sem mencionar outros clássicos conhecidos. Hoje, quem detém os direitos de Ultraman: The Next é a Sato Company (do sr. Nelson Sato) e foi a empresa que levou o filme para a Netflix, onde esteve disponível entre 5 de dezembro de 2013 e 4 de dezembro de 2015. O filme pode retornar ao catálogo.

Este foi o último trabalho da Áudio News com a dublagem de Ultraman. O dublador Marco Ribeiro*, que é proprietário do estúdio, interpretou o herói. Tanto o hospedeiro como o próprio Ultraman. O elenco carioca contou com vozes conhecidas de Ultraman Tiga e da franquia Power Rangers - como Alexandre Moreno, Iara Riça, Mabel Cezar, entre outros. O mais curioso é que a maioria dos soldados tem a voz de Júlio Chaves (dublador oficial do Mel Gibson).

*Em dezembro de 2015 conheci pessoalmente o dublador Marco Ribeiro, no evento Anime Master, e pedi para que ele autografasse a capa do DVD de Ultraman: The Next. Foi um momento marcante que relatei neste post.

PS: A série de resenhas dos filmes do Ultraman fará mais uma pausa e volta no dia 15. Na próxima sexta teremos um especial sobre uma série Ultra exibida no Brasil - e ainda hoje também. Imperdível.

Nenhum comentário:

Postar um comentário