sábado, 12 de março de 2016

Em novo novo arco de Digimon tri, Jo "brilha" como o personagem mais chato dos digiescolhidos

Jo chega à perfeição da chatice na nova saga

Assim como muitos fãs de Digimon, fiquei ansioso durante os últimos quatro meses pela estreia deste arco. "Ketsui" (Determinação), o mais novo arco de Digimon Adventure tri (crianças, não custa lembrar de novo, lê-se: "trái"; em inglês) tem um desenvolvimento longo e enfadonho. Tudo bem que um pouco de drama e momentos "kawaii" fazem parte da fase clássica. Só que em "Ketsui" a coisa ficou bem mais exagerada e a impressão é que a coisa andou por uma via parecida com alguma novela da Globo. O que deixou a qualidade aquém se comparado ao "Saikai" (Reunião), o arco anterior apresentado no final do ano passado.

Como as releases anunciaram, o foco esteve em Jo (Joe) e Mimi. Eu esperava mais da participação dos dois. Mimi se mostrou bem egoísta e precipitada num dado momento de risco. Mas quem se revelou o campeão da chatice foi Joe. Sério. Tipo, você espera um tempão por um arco empolgante e dá de cara com o dramalhão de Joe fugindo das batalhas para estudar. Tá certo que ele é esforçado, luta para um futuro melhor como adulto e tal. A indecisão de Jo foi tanta que isso se arrastou praticamente em todos os novos quatro episódios. Nem o Gomamon aguentou tamanha frescura de seu parceiro digiescolhido.

Pra quem esperava uma engrenada de deixar o espectador roendo unhas e babar o chão, vale a pena percorrer essa "via crucis" para assistir até o final. Todo o clímax perdido durante Ketsui foi compensado no último episódio lançado até o momento. Aliás, vale citar a volta dos rivais Leomon e Ogremon. Além do estranho retorno de um importante inimigo. Até agora foi mencionada sobre uma estranha força que está afetando dos Digimons e os influenciando para a invasão no mundo real. Mas o real motivo fica preso num gancho para os próximos episódios (previstos para o meio do ano). É bom prestar atenção em Meiccomon, pois aparentemente é um Digimon bobo/mimado, mas possui um potencial determinante para o que vem por aí.

Agora, fazendo justiça, Mimi e Jo são úteis quando ajudam Palmon e Gomamon, respectivamente, a alcançarem uma megaevolução de deixar qualquer fã de queixo caído. Vibrei mesmo foi com o golpe de um deles. Vocês saberão de qual estou falando quando assistirem. Outro dos poucos pontos positivos de "Ketsui" foi a nova versão da música "Seven", de Koji Wada, que entrou como o segundo tema de encerramento da série/filme. Demais.

PS: Curiosamente, até o fechamento deste post, um certa certa sub muito bem conhecida pela otakada ainda não pirateou os novos episódios. O que é ruim para quem (ainda) depende disso e bom para o novo mercado de animes. Quem assistiu em primeira mão via Crunchyroll só teve a ganhar. Os serviços oficiais estão aí (com preços irrisórios que até uma criança paga brincando) pra quem ainda está na "idade da pedra". Fica a dica amiga deste blogueiro e compare o custo-benefício. Depois não diga que eu não avisei, otakada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário