sexta-feira, 10 de março de 2017

Kyuranger é uma série divertida com um líder mala

O esquadrão do espaço

Esperei passar alguns episódios pra escrever sobre Kyuranger, a nova série Super Sentai que vai ao ar nas manhãs de domingo do canal japonês TV Asahi desde fevereiro. A Toei está mudando o conceito da franquia ao colocar nove herói praticamente de uma vez. Até aqui a equipe está se definindo. Não sei como o roteirista Nobuhiro Mouri (de Go-Busters) vai fazer pra administrar essa quantidade, o que deve ser bem difícil, mas Kyuranger se mostra bem atrativo.

Os efeitos especiais são espetaculares e digno de tirar o chapéu. Alguns heróis são bem legais e outros animados demais. Um que está custando pra me convencer é justamente Lucky, o líder do esquadrão que atende pelo codinome Shishi Red. Ele tenta ser legal, mas seu bordão é chato. É "luck" aqui, é "luck" acolá e isso tem sido um "bad luck" logo de cara. Ele é um forte candidato pra duas categorias: como o "Red mais mala de todos" que atualmente é o Takaharu/Akaninger em Ninninger e também como "o herói com o bordão mais chato" que ficou com Yakumo/Aoninger da mesma série que dizia "easy" pra lá e "easy" pra cá. Haja nervos pra aturar esses estereótipos, né? Outra coisa que incomoda são aquelas dancinhas de encerramento. Sempre dão aquela vergonhazinha alheia e a vontade de pular pro preview do episódio seguinte. Sem chance.

Em contrapartida, dá pra encontrar muita coisa bacana em Kyuranger como o tema de abertura, por exemplo. Pra se ter uma ideia, há uma rivalidade entre Champ/Oushi Black e Stinger/Sasori Orange que deve render por mais algum tempo. Assim como em Jaspion, a trama migra para a Terra a partir do quarto episódio. Coincidência, não? Pois bem. O nosso planeta foi dominado pela organização maligna Jark Matter. É que, segundo a sinopse oficial, Kyuranger se passa num futuro distante, no ano 20XX. Mais uma quebra de padrões, já que a maioria das séries Super Sentai se passam no tempo presente de suas exibições originais e outras como Jetman, Ohranger e Gokaiger que se passam (ou pareciam se passar) anos à frente. No final deste mês os Kyuranger vão se encontrar com Kamen Rider Ex-Aid e cia no filme Ultra Super Hero Taisen. Qual será a desculpa desta vez pra Toei unir duas séries de épocas diferentes, hein?

Kyuranger precisa melhorar o comportamento do líder do esquadrão. Fora isso, vem acertando a mão com as inovações. A Toei estava mesmo precisando fugir da mesmice e não é de agora.

7 comentários:

  1. Gosto muito de seus textos. Penso o mesmo sobre Kyuranger. Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Muito legais suas observações acerca de Kyuranger. As dancinhas realmente me matam. A música até é legalzinha, mas a dança final, Jesus, eu morro de vergonha por eles. O pior foi ver o Stinger, fazendo a tal dança. Morri de vergonha por ele e quase perdi o respeito por ele tb.rsrs.(Ps. Pelo jeito ele será meu personagem favorito, meu estilo de heroi, quase anti herói rsrs)A tal dancinha é meio forçada. Se as crianças brasileiras verem a dancinha, virá muita zoeira, com certeza, por conta de um gesto específico durante a "dancinha", até porque nossas crianças deixaram de ser inocentes há algumas décadas. Amei suas observações sobre o novo toku da Toei. Tenho 35 anos e não me canso, e sempre estou aberta às inovações. Vou estar velhinha e curtindo tokus. rsrsr. Apesar do Lucky ser chatinho, ainda acho o Takaharu pior, completamente sem sal e sem noção; no caso do Lucky pelo menos o ator tem carisma, coisa que faltava muito ao ator do líder dos Ninninger(pra falar a verdade, os únicos que tinham algum carisma naquela série eram o starninger, a irmã do takaharu, a Fuka e o avô rsrs, em minha humilde opinião rsrsr...). Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Giane. Também me vejo velhinho assistindo tokusatsu. Não tem jeito. (rsrs) Curto tanto séries novas quanto antigas. Sempre atualizando. Então, desde Go-Busters eu avanço as dancinhas pra ir direto pro preview do próximo episódio. Quando vi as dancinhas do Kyuranger eu tive aquela impressão de "o que é isso mesmo que estou assistindo?". Apesar dos pesares, faz sucesso com a criançada japa, que é o público alvo. Acho que aqui no Brasil não daria muito certo. E sim, Takaharu ainda é o líder mais mala dos Sentais. Abraços.

      Excluir
  3. Estou gostando de Kyuranger. Até gosto do encerramento, porque é legal (interpretativamente falando) ver um ator sério fazendo uma dancinha no final, rs. Concordo que o red é um sério candidato a ser o red mais mala da história, quiçá chato também... Gostei que tem a primeira green regular dos super sentai, só acho que poderiam ter mais mulheres em uma equipe de 9. Não sei ainda o motivo da toei não colocar mais meninas ou até mesmo uma líder red fixa nos super sentais: seria progressista e ainda nos livraria desse red boring. Alô, estamos em 2017 e a série se passa ainda mais no futuro!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Regis. Acho que não tem nada a ver com progressismo ou demais visões políticas. Se bem que entre os nove, poderia ter uma terceira mulher, quem sabe. Ao menos a Sakurako Okubo (Hammy) é o nosso colírio e podemos ouvir a voz da Mao Ichimichi (Raptor 283). Ela e a Arisa Komiya (Yellow Buster) enveredaram na carreira de dubladoras. Abraços.

      Excluir