quinta-feira, 9 de março de 2017

Entendendo a origem de Gorenger e JAKQ na franquia Super Sentai

Os esquadrões Gorenger e JAKQ

As duas séries Super Sentai criadas por Shotarô Ishinomori (o mesmo de Kamen Rider) são dois pilares importantes da história da franquia dos heróis multi-coloridos. Mas o que poucos sabem (pelo menos aqui no Brasil) é que isso nem sempre foi assim. Essa é uma análise importante para compreendermos o conceito dos heróis. Seguem alguns pontos para compreensão:


Gorenger e JAKQ não faziam parte da franquia até os anos 90

Antes de tudo, precisamos entender que o primeiro Super Sentai, de fato, foi Battle Fever J, de 1979. No ano anterior a Toei passava por sua primeira crise de instabilidade (a segunda foi em 1981). Apenas duas séries tokusatsu foram lançadas pelo estúdio em 1978: Spider-Man e Ganbarê! Red Vickies. Ambas estavam com os dias contados e a Toei precisava inovar, afim de não cair no prejuízo.

Já no segundo ano (de um total de quatro) de parceria entre a Toei e a Marvel, surgia um projeto de uma nova série que inicialmente era intitulado como Captain Japan. Uma clara versão japonesa do Capitão América. O alter-ego do herói se chamaria Masao Den. Ele seria um ciborgue que lutaria contra a organização secreta Beta. Assim como o Homem-Aranha japonês, Captain Japan teria uma nave-mãe chamada Captain Baser que poderia se converter no robô gigante Nelson. Tudo muito parecido com Spider-Man até aí. Só que Captain Japan teria uma ajudante. Seu nome seria Miss America. Baseada na Miss Marvel.

Antes da estreia, o projeto sofreu mudanças. Foram incluídos mais três heróis. O robô que fora inspirado em Leopardon se tornou numa espécie de "samurai gigante". A organização secreta Beta foi rebatizada como Egos. E finalmente o herói Captain Japan teve o nome trocado para Battle Japan. E assim nascia a série Battle Fever J. O "J" do título é uma inicial da palavra "Jumbo", por causa do robô gigante que recebia então o batismo de Battle Fever Robo.

É preciso que se diga que nesse ponto da história não havia ainda uma concepção de Super Sentai como temos hoje. Tanto que o nome da franquia não existia. Coisa que só aconteceu a partir de 1981 com Sun Vulcan, que firmou o conceito. Porém nem tudo era certo, pois tudo dependia do fator audiência para se manter no ar. Hoje é comum termos uma série com duração de um ano. Mas antigamente, se a série não tivesse retorno, poderia ser cancelada. Por isso a Toei fazia contratos curtos com os artistas.

Segundo o ex-ator Ryusuke Kawasaki, que viveu o primeiro Vul Eagle em Sun Vulcan, os contratos duravam cerca de seis meses. Como o contrato de Kawasaki não foi renovado, Takayuki Godai o substituiu para viver o segundo Vul Eagle. A mesma coisa aconteceu com a atriz Takako Kitagawa, a líder Zero One, do grupo Zero Girls. Sua personagem morreu antes da segunda metade de Sun Vulcan. Perigava-se também a saída de Kinya Sugi, o Vul Shark da série, mas isso nunca aconteceu.

Em tempo: Battle Fever J, que foi baseado em Spider-Man (de Saburo Hatte) foi um protótipo de Super Sentai e não nasceu para formar a franquia. Foi algo formado naturalmente. Ou seja, não foi inspirado em Gorenger e JAKQ nem muito menos uma sequencia. Por isso o nome de Shotarô Ishinomori não aparecia nestas séries.


Gorenger e JAKQ foram incluídos a partir dos anos 90

Algumas publicações incluíam ambas as séries como parte da franquia Super Sentai. Foi o caso, por exemplo, do livro Chodenshi Bioman Dai Hyakka, da editora Keibunsha. Porém, não se deve levar em conta uma vez que Ninja Captor (de 1976) também foi mencionado como um Super Sentai.

O primeiro livro a incluí-las de forma oficial foi Choseikizen Sentai Daizenshu, lançado pela editora Kodansha em 1993. O livro listava desde Gorenger até Dairanger, como uma forma de antecipar o aniversário da franquia com uma diferença de dois anos. Depois de uma certa demora, a editora Shogakukan também incluiu as duas obras de Ishinomori em seus livros.

E finalmente em 1995, na terceira edição do livro Super Sentai Chozenshu é que houve uma listagem de Gorenger até Ohranger (a série Super Sentai daquele ano). A primeira edição foi de 1990 e incluía de Battle Fever J a Fiveman. A segunda, de 1993, ia de Battle Fever J até Dairanger.

Em contrapartida, surgiram alguns questionamentos. O aniversário de 10 anos de Super Sentai, que foi comemorado em Turboranger (e ainda é oficialmente), seria "matematicamente" comemorado em Changeman. Se Gorenger se tornou a "origem" dos Super Sentai, o nome de Shotarô Ishinomori deveria ser creditado desde então como gensaku (criador) ao invés de Saburo Hatte. Mas isso é coisa que nem a Toei explica.

A franquia Super Sentai não deve ser vista como ininterrupta. Gorenger e JAKQ são exceções, uma vez que ambas não surgiram como Super Sentai, mas sim incluídas. Hoje em dia parece que as publicações ignoraram o passado encarando a transição de JAKQ e Battle Fever J como um processo natural de um conceito que foi formado anos mais tarde.

Créditos de informação: Michel Matsuda

Nenhum comentário:

Postar um comentário