quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Midnight Diner é inusitado, faz referência a tokusatsu e tem participação de um Kamen Rider

O mestre do Jantar da Meia-Noite (Foto: Divulgação/Netflix)

No final de outubro passado a Netflix lançou mais um J-drama com seu selo de exclusividade (original). Agora trata-se da série Midnight Diner: Tokyo Stories, ou também mais conhecido na terra do sol nascente como Shinya Shokudô (algo como "Jantar da Meia-Noite"). Originalmente esta série possui três temporadas para a TV japonesa (inéditas no Brasil), sendo esta a quarta, lançada mundialmente via streaming. Seguindo o mesmo padrão das temporadas anteriores, esta remessa possui 10 episódios.

O protagonista é um chefe de cozinha (interpretado pelo veterano Kaoru Kobayashi) que toca todas as madrugadas sua lanchonete onde, segundo ele mesmo diz na abertura do programa, tem mais clientes do que se esperava. A cada episódio o Mestre (seu nome de verdade nunca foi revelado) narra histórias de pessoas que passam pelo seu estabelecimento. Sempre com duas pessoas que tem suas vidas cruzadas que de alguma forma estão relacionadas a um prato específico da culinária japonesa.

As tramas do cotidiano são inusitadas e contadas de forma simples, suficiente, sensível e despretensiosa. Logo no primeiro episódio da temporada aparece uma referência ao estilo tokusatsu. Era sobre um radialista que reconhece uma taxista de uma série de super-heróis da época de infância. A referência lembra o Ninja Captor, uma série setentista famosa da Toei Company. Logo o passado sobre ela e um dos atores principais do tal programa são revelados. Mas o grosso das histórias contadas em Midnight Diner são embasadas em romance, família, traição e até sobre máfia.

Voltando a falar sobre referência a tokusatsu: o ator Joe Odagiri, o Kamen Rider Kuuga da série homônima de 2000, também pode ser visto. Nas temporadas para TV ele viveu o personagem Katagiri. Aqui ele aparece em alguns episódios interpretando mais de um personagem. Vai a dica como uma surpresa pro espectador reconhecê-lo e ver como ele está 15 anos depois da série que o consagrou (apesar de sua antipatia com o estilo de monstros e super-heróis).

Curiosamente, além dessas breves referências, podemos ver um cartaz do filme do Deadpool, que teve uma estreia tardia no Japão (como praticamente todos os filmes da Marvel). No dia 5 de novembro estreou nas salas japonesas de cinema o segundo filme de Midnight Diner (o primeiro foi de janeiro de 2015). Para promover a estreia e o lançamento desta nova temporada na Netflix, o canal UHF da região metropolitana da capital, Tokyo MX, exibiu todos os 10 episódios da terceira temporada entre 25 de outubro e 4 de novembro, por volta das quatro/quatro e meia da manhã.

Não é a melhor ou a mais surpreendente série da Netflix, mas Midnight Diner é um prato cheio pra quem curte um bom drama oriental. Ah, se puder, assista entre meia-noite e sete da manhã. Você vai entender de cara.

Nenhum comentário:

Postar um comentário