sábado, 23 de janeiro de 2016

Em maratona de Zyuranger, americanos mostram como ser um fã (saudável) de tokusatsu; sem saudosismo

Zyuranger ganha maratona online nos EUA (Foto: Divulgação/Shout! Factory)

Os fãs americanos de tokusatsu ganharam de presente da Shout! Factory com uma maratona dos sete primeiros episódios de Kyoryu Sentai Zyuranger (Esquadrão Dinossauro Zyuranger), . Esta é apresentada pelo expert de tokusatsu August Ragone (um grande fã de Godzilla) e outras maratonas da série da franquia Super Sentai de 1992, que deu origem ao clássico nipo americano Mighty Morphin Power Rangers devem acontecer no futuro. É possível ver a repercussão da maratona nas redes sociais.

No Twitter, por exemplo, muitos ficaram extasiados ao verem uma mini biografia do saudoso mangaká Shotarô Ishinomori (o pai dos Kamen Riders e dos esquadrões pioneiros Gorenger e JAKQ). Rolou até um anúncio oficial da série Ninja Sentai Kakuranger (Esquadrão Ninja Kakuranger) em DVD local. Fora isso, muitos fãs estão animados, comentando os episódios, identificando as cenas de ação que foram reaproveitadas e por aí vai. Por sinal, a Bruxa Bandora (Rita Repulsa em Power Rangers) é uma das personagens mais comentadas.

Isso é só uma amostra de como os fãs americanos de Power Rangers e Super Sentai sabem ser fãs de ambas as franquias sem medo, sem frescura, sem saudosismo, sem hateria, sem fanatismo, sem nada de outros problemas que nós fãs estamos carecas de saber. O problema é que a falta de informação é um câncer quase incurável na internet. Tipo: boatos, disse-me-disse e outros desconexos que são disseminados mais rapidamente do que uma informação verídica/precisa/pontual.

No Brasil, quem acompanha ambas as franquias (ou pelo menos os Super Sentais) devem saber que não houve picaretagem, não houve roubo de direitos autorais, Saban não impediu o legítimo tokusatsu de passar no Brasil e por aí vai. O choro é livre e o ódio é brasileiro. Eu sempre defendi que cada um é livre pra gostar ou não de uma determinada série. Gostar ou não de Power Rangers é um direito que assiste a cada um. E quem não gosta não tem que condenar quem assiste e criar polemiquinhas pra disputar. Uma vez eu já vi alguns dizerem "diga não a Power Rangers" como se a franquia fosse algum tipo de droga ilícita. Bobagem. Mal sabem que a Saban já tentou finalizar Power Rangers (uma dessas ainda na primeira temporada) e o resultado do fenômeno continua crescendo e vai se perpetuar por várias e várias décadas.

É fácil reclamar do que não se sabe. Eu queria ver mesmo é os fãs brasileiros de Super Sentai se unirem para mostrar interesse a Shout! Factory de que Zyuranger, Dairanger, Kakuranger poderiam passar no Brasil. Sejam no formato de mídia física ou streaming. Pra isso o mais difícil tem que ser feito primeiro: deixar o pessimismo de lado. É por essas e outras que o tokusatsu no Brasil tende a envelhecer e caducar mais e mais. True story.


Os fãs americanos estão de parabéns e dando um show morfenomenal (sim!). Duvida? Então confira um cheirinho dessa repercussão:







Nenhum comentário:

Postar um comentário