sexta-feira, 24 de julho de 2015

Nostalgia: Kamen Rider Black RX estreava há 20 anos no Brasil

Black RX marcava o fim da era de prata do tokusatsu na era Manchete

Há exatamente duas décadas atrás estreava pela saudosíssima Rede Manchete a série Kamen Rider Black RX. Nada mais e nada menos que a sequencia direta de Kamen Rider Black (Black Kamen Rider ou Blackman no Brasil). O lançamento duplo acontecia em dois horários: o primeiro às 9h30 da manhã no programa Dudalegria (apresentado por Duda Little) e às 17h35 na Sessão Super-Heróis. Inicialmente era apresentado às segundas, quartas e sextas. Fazendo revezamento em ambos os horários com Solbrain, que havia estreado em 12 de junho de 1995 (leia mais aqui).

A série, criada pelo saudoso mangaká Shotarô Ishinomori, teve exibição original/simultânea pelas emissoras japonesas MBS e TBS de 23 de outubro de 1988 até 24 de setembro de 1989. Indo ao ar regularmente aos domingos às 10:00 JST. Vale lembrar que RX teve um especial que foi apresentado entre o final de Black e a estreia da então nova série, em 16 de outubro de 1988. Este era chamado de Kamen Rider 1-gô (Ichigô)~RX Daishugô, onde há uma retrospectiva a partir da primeira série da franquia para promover o lançamento do então "novo" herói.

Black RX é de fato uma série da Era Showa, uma vez que o período vigorado ainda era do Imperador Hirohito. Por conta de sua morte no dia 7 de janeiro de 1989 (sábado), houve um atraso de uma semana nos episódios previstos da série e também em outras séries tokusatsu como Liveman, Jiraiya e Cybercop. Além de animes aprsentados no fim de semana. O episódio 11 - que só foi ar em 15 de janeiro de 1989 - foi o primeiro da franquia durante a então recém-inaugurada Era Heisei. Mas por ter sido lançado em 1988, RX é genuinamente Showa e a última série televisiva da franquia daquele período. Por questões canônicas, a Toei optou ainda por enquadrar os filmes Shin Kamen Rider: Prologue (1992), Kamen Rider ZO (Zettô, 1993) e Kamen Rider J (Jay, 1994) como sendo parte da Era Showa, quando de fato eles foram lançados na Era Heisei.


Tetsuo Kurata em mais um ano na pele do herói 
Issamu Minami (Kotarô Minami no original)

Tudo começa algum tempo após o fatídico fim do Império Gorgom. Algumas fontes afirmam ter se passado cerca de seis anos. Tal passagem pode ser justificada pela menção da data de nascimento de Hitomi ser de 22 de outubro de 1988 e ela ter apenas 6 anos de idade. Dando a impressão de que a série se passaria entre o final de 1993 e o final de 1994. Ainda assim há um furo de roteiro, pois aqui é mencionado Issamu Minami ter 20 anos. Uma vez que ele tinha 19 durante os eventos de Black.

Em tempo, Issamu Minami (Kotarô Minami no original) teria sido adotado pela Família Sahara. Ele já não tinha pra onde ir com o abandono de Satie (Katsumi) e Kyoko. Agora ele passa a trabalhar como piloto de helicóptero pra sua nova família  e recomeça sua nova vida. A redenção foi mais que justa. Issamu agora teria uma namorada ao seu lado. Seu nome é Reiko Shiratori. Um namoro que não foi tão bem explorado como a Toho e a Tsuburaya bem sabem fazer.


Os integrantes do Império Crisis: (da esq. p/dir.) Gadorian,
Maribaron, General Jark, Bosgan e Gatezone

Numa certa noite, Issamu é abduzido por uma nave-mãe alienígena de forma monstruosa/mecânica e é perseguido por ser Kamen Rider Black. Seus novos inimigos são do Império Crisis, que quer dizimar a Terra e transformar nosso planeta numa colônia de crisianos. Após sofrer um ataque, o herói é milagrosamente salvo pelo seu cinto King Stone, que recebe uma irradiação solar. Assim o dispositivo de transformação evolui-se para Sunriser e Issamu renasce como Kamen Rider Black RX.

A série tem várias sagas interessantes. Uma delas começa quando Hitomi Sahara é sequestrada pela bruxa Maribaron para assumir a identidade da Princesa Garonia, que teria morrido por um descuido. Para salvá-la, RX é enviado clandestinamente pelo Robô Kaima Desgaron (Deathgaron) para o mundo Kaima. É nesta saga em que RX adquire mais duas formas: O Príncipe da Tristeza Robo Rider e O Príncipe da Ira Bio Rider. (NOTA: a pronúncia correta seria "Baio Rider" [バイオライダー], mas a dublagem optou mesmo seguir pela escrita) Sendo assim o primeiro Rider da história a ter mais de uma forma. O primeiro é mecânico (como o próprio nome sugere) e foi gerado pela absorção da força de Desgaron. E o segundo por partículas de água. Ambas as transformações foram milagrosamente essenciais para o combate.


O Príncipe da Tristeza, Robo Rider


O Príncipe da Ira, Bio Rider

Neste mesmo tempo, Issamu conhece Joe Kazumi (Kazumi no Joe = Joe a Névoa). Um terráqueo que teve parte de sua memória apagada por Crisis e logo se tornou um irmão adotivo. Ou melhor, o maior aliado de RX na luta contra a vilania. Ainda no mundo Kaima, Shigeru também é sequestrado e descobre que Issamu é na verdade o Kamen Rider.

Durante a série, Shadow Moon, que havia sido derrotado na batalha final contra Gorgom, teria ressurgido do inferno misteriosamente. Sem lembranças como Nobuhiko Akizuki e muito menos como o outrora candidato a Imperador Secular, Shadow Moon tem apenas uma missão em mente: derrotar RX. Por qual motivação concreta, isso nunca foi explicado. Mas nem isso tirou o brilho da breve passagem de um dos clássicos vilões de tokusatsu (que virou um baita de saco de pancada de Riders e Sentais recentemente, diga-se). Talvez seria forçado esticar sua participação na série, mas não chegaria a ser algo que viesse a ser tão fanservice.


RX medindo forças contra Shadow Moon

Crisis ainda conta com o reforço de Dasmader, um representante direto do Imperador. A partir daí o próprio império sofre uma certa crise de subsistência. Nos episódios finais da série, Issamu recebe a ajuda dos 10 Kamen Riders veteranos, que defenderam a paz antes dele. Fato este que poderia ter acontecido antes nos episódios finais de Kamen Rider Black (ok, fica pra outro assunto). Mas foi um momento marcante e ímpar para a época.

Kamen Rider Black RX pode não ter aquele tom dark que teve sua antecessora, por um justo motivo. Issamu reconstruiu a sua vida e para manter (ou tentar, pelo menos) teria que lutar contra seus novos inimigos. E não foi lá uma série ruim que venha a estragar a imagem de Issamu Minami como dizem meia dúzia de "viúvas do Black".


Issamu, e seus companheiros ao lado dos 10 Kamen Riders

De suspense/terror, a coisa teria que se reinventar e passar a ter alguns elementos espaciais, alienígenas, extraterrenos ou coisas do gênero. Teve alguns momentos bizarros, mas nada que viesse a comprometer o enredo. Muito pelo contrário, quem for fã de Kamen Rider e de tokusatsu dos anos 80 pode se divertir tranquilamente.

Black RX rendeu um filme 3D de apenas 17 minutinhos intitulado Kamen Rider: Sekai no Kakeru. Lançado em 29 de abril de 1989, o filme mostrou RX lutando ao lado de Black, Robô e Bio (?!) como resultado de uma distorção realizada por uma intervenção temporal de Crisis. No qual os Gorgom também aparecem mais uma vez. Algumas cenas de ação voltariam como flashback no filme Kamen Rider World (1994), onde Shadow Moon retorna mais uma vez do mundo dos mortos e agora agigantado.

RX também teve um mangá intitulado Kamen Rider Black RX -After 0-, onde a trama se passaria logo após o final da série de TV e apresenta White RX (ou Another RX), Shadow Moon com poderes de RX e Grande Rei (Another Shadow Moon); o resultado da absorção dos dois King Stones. A história é dividida em quatro capítulos.

Cenas do filme Kamen Rider: Sekai no Kakeru


Além de Tetsuo Kurata (que esteve recentemente pela primeira vez no Brasil, no evento Anime Friends, em São Paulo), o elenco foi composto por alguns rostos conhecidos do tokusatsu. Reiko foi interpretada por Makoto Sumikawa (na época assinava como Jun Koyamaki), a Lady Diana de Jaspion 2 - Spielvan; Joe Onodera, o filho de Shotarô Ishinomori, aparece na série como o cozinheiro Goro. O mesmo já havia apresentado o especial Kore ga Kamen Rider Black da!! (que antecedeu a estreia de Black), além de ter participado do episódio 42 do "homem mutante" e de outras séries japonesas como Machineman, Sukeban Deka, Jiban, Solbrain, Janperson, Ultraman Dyna, Ultraman Max, etc; A atriz Atsuko Takahara, conhecida na série Jaspion como a bruxa galática Kilza, viveu a vilã Maribaron; Megumi Ueno, a Kasumi de Jiraiya, interpreta a garota extra-sensorial Kyoko Matoba; O ator/dublê Toshimichi Takahashi - rosto conhecido em vários clássicos das séries Super Sentai e Metal Hero - interpreta o vilão Gatezone. Em Black ele interpretou o vilão Baraon; e o seiyu (dublador) Masaki Terasoma voltaria a interpretar Shadow Moon; O ator Rikiya Koyama, que também é seiyu, é conhecido no Japão por dublar o ator Kiefer "Jack Bauer" Sutherland na série 24 Horas; As quatro formas de RX são feitas pelo veterano/renomado dublê Jiro Okamoto.

A chegada da série ao Brasil veio por intermédio da Tikara Filmes (antiga Everest Vídeo), do sr. Toshihiko Egashira. Foi a último lançamento inédito de tokusatsu da era de prata da Geração Manchete. Ou porquê não dizer da própria emissora da Família Bloch (que reprisaria Jiraiya e Maskman em seguida). A Glasslite estava promovendo os produtos do herói. Para que ficasse bem claro que ali era a continuação de Kamen Rider Black, os então redatores Marcelo Del Greco e Alexandre Nagado (ambos da clássica Revista Herói), prestaram consultoria à empresa de brinquedos. Ainda comercialmente, a série teve os primeiros 30 episódios lançados em VHS pelo selo Inter Movies.

Na dublagem, Élcio "Shiryu de Dragão" Sodré voltaria a emprestar sua voz ao herói, enquanto Francisco "Hyoga de Cisne" Bretas foi escalado para ser Dasmader; Nessa inesplicável troca, Shodow Moon foi dublado por Affonso Amajones, que dublou mais alguns monstros e ficou conhecido pelos heróis Highter (em Winspector), Solbraver (em Solbrain) e Ultraman (na redublagem do herói-título nos anos 90); O destaque vai para os retornos de Ricardo Nóvoa (atualmente aposentado) e Patrícia Scalvi como Jark e Maribaron, respectivamente. Em Black, ambos foram os sacerdotes Danker e Pérola; Vale citar que Joe Kasumi foi o último trabalho do saudoso dublador Ricardo "MacGaren" Medrado nas séries de tokusatsu.

Kamen Rider Black RX ganhou uma versão americana chamada Saban's Masked Rider, que foi exibida no Brasil apenas na TV fechada, ao mesmo tempo que RX dava um show na Manchete. Mas sobre essa história falaremos nos próximos capítulos... Henshin!






2 comentários:

  1. As Vinhetas de intervalos foram feita pela Manchete. quando aparece o logo título na abertura. tinha 2 intervalos.

    ResponderExcluir