segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Ponto de Vista ESPECIAL - Zyuranger: Heróis japoneses de fama americana



Kyoryu Sentai... Jurenjaa!!

Hoje iniciamos o primeiro quadro do Blog DAILEON. O Ponto de Vista!! Nele eu vou falar sobre séries ou temporadas que eu finalizar e passar um panorama pessoal sobre o que achei. E o primeiro a ser analisado é o Super Sentai do ano de 1992: Kyoryu Sentai Zyuranger (Esquadrão Dinossauro Zyuranger)!! Mas você, amigo leitor, que de repente nunca ouviu falar de tokusatsu/super sentai deve estar se questionando ao ver a foto acima: "Tá errado, César! Esses aí são os Power Rangers! Quem diabos são Zyuranger?". Calma, rapaz! Vamo conversar. kkkkk... Não vamos falar sobre os Power Rangers. Ou melhor, vamos sim. Não dá pra fugir. Falar de Zyuranger tem que falar sobre o arrimo da Saban. Ficou curioso, né? OK. Falarei um pouco sobre o Zyuranger fazendo comparações com a versão americana. Por ser a primeira edição e o assunto render bastante, o formato de hoje será de resenha. Nos demais tópicos do quadro serão resumos de pontos positivos/negativos de alguma série que estará em pauta. Desde já aviso que terá SPOILERS!!! Se continuar, é por sua conta e risco, OK? Depois não diz que não avisei... (kkk) Sem mais delongas, bombas de mil megatons detonando em 3, 2, 1...

.
.
.



Muito bem, você que teve a coragem de acompanhar esta resenha, meus parabéns! Se você tem mais de 20 anos -- como eu -- deve se lembrar do boom que foi Power Rangersno meio dos anos 90, época que passava no extinto programa infantil TV Colosso da "toda-poderosa" Rede Globo, na hora do almoço. Pois bem, quando eu assisti pela primeira vez achei que fosse uma imitação americana de Changeman e Flashman (Super Sentais de sucesso no Brasil). Até o rosto de Rita Repulsa era familiar de algum seriado japonês da Manchete. Gostei do carisma dos heróis e vilões e tal. Eis que ainda no começo do ano de 1995, mais precisamente em fevereiro, quando PR era recém-lançado na Globo (antes sua estréia foi no canal Fox em 1994), li a lendária revista Herói#10 que na capa trazia um destaque sobre os novos heróis. A revista foi dedicada ao assunto e sobre as séries de tokusatsu, além do anime Patrulha Estrelar Yamato. Foi a partir dessa edição que soubemos o que era Super Sentai; que existiam outras séries de Kamen Rider antes de Issamu Minami/Black; e fomos antecipados de que Spielvan e Metalder, heróis que passaram na era de ouro da Geração Manchete, seriam uma só série americana e virariam os VR Troopers, nas mãos da Saban Entertainment. Sabendo dessas, vi pela primeira vez quem eram os Zyuranger. Foi meu primeiro contato com a série. Cheguei a ler uma matéria sobre a série na edição 52 da mesma revista, assinada pelo jornalista Alexandre Nagado. E ainda assistindo os defensores de Alameda dos Anjos fiquei curioso pra ver este sentai, além do Dairanger e Kakuranger, sentais seguintes e que viraram adaptações respectivamente na segunda e terceira temporada de Mighty Morphin Power Rangers. Hoje em dia eu acompanho os sentais mais atuais/recentes e procuro ver os antigos. Como estou de férias, um destes sentais que escolhi foi o Zyuranger. E é sobre ele que falaremos agora.



Capa da revista Herói #10;
Fevereiro de 1995

Só por um instante, esqueça tudo o que sabe sobre Jason, Zack, Trini, a "molenguinha" do Billy, Kimberly (essa não precisa esquecer muito, viu?), Tommy e etc. Zyuranger é muito mais seriado do que MMPR!! A dinamicidade do roteiro e das lutas (incluindo as cenas dos heróis na forma civil) são elevadas à 8.000ª potência! É muito mais aventureiro do que a série dos adolescentes que viviam no ginásio e aqui acolá lutavam contra uns bonecos de massa e ao se transformar lutavam em "Tóquio". Power Rangers começou em 1993 como adaptação do Kyoryu Sentai Zyuranger de 1992. No Japão existem os Super Sentai, que a cada ano um grupo de jovens -- onde geralmente começam com 5 integrantes -- defendem a Terra contra um império maligno que quer conquistar o país ou o nosso planeta. Sempre quando um sentai termina outro começa, como acontece com as novelas. O primeiro dessa leva foi o Himitsu Sentai Gorenger (Esquadrão Secreto Gorenger, 1975) e é um gênero que existe há mais de 35 anos. No Brasil pudemos ter o privilégio de assistir quatro Super Sentais: Changeman (de 1985), Flashman (1986), Goggle V (1982) e Maskman (1987). Desde Zyuranger todo Super Sentai ao se encerrar no Japão vira adaptação de PR. Atualmente o super sentai que está no ar é o Zyuden Sentai Kyoryuger, o terceiro com o tema sobre dinossauros, e que está fadado a se tornar americano num futuro bem próximo -- ainda escreverei uns comentários sobre esta série. Recomendo a você leitor que nunca ouviu falar de Super Sentai e não faz ideia do que seja tokusatsu que faça uma boa pesquisa na internet em sites especializados no gênero e veja alguns vídeos no Youtube. Isso facilita mais a compreensão de quem tá conhecendo agora. Aqui também no DAILEON sempre vai pintar uns momentos sobre tokusatsu. ;)



O Super Sentai é uma das franquias de
maior sucesso de tokusatsu no Japão.



A história

Zyuranger começa quando astronautas partem para explorar o Planeta Nemesis. Lá descobrem um grande vaso lacrado e assim o abrem. Mal sabem eles que uma terrível feiticeira e seus monstros que estavam selados há cerca de 170 milhões de anos. Ela é a Bruxa Bandora (contraparte de Rita Repulsa) e agora ela ataca a Terra com a pretensão de escravizar os humanos. Junto com Bandora estão Griforzer (Goldar), Pleprechuan (Flinster) e a dupla Tottpatt & Bookback (Baboo & Squatt). Bandora é uma vilã que consegue ser carismática e odiosa ao mesmo tempo. Talvez nunca teve algum personagem assim na história. Foi eternizada pela saudosíssima atriz Machiko Soga, onde teve a suas cenas reaproveitadas em PR como Rita Repulsa (com outra voz, claro). Por si só já é uma vilã marcante e até mais respeitável do que a Rita, começando pela interpretação da Machiko. E sou suspeito pra falar dela, pois e me divirto bastante com as suas interpretações. A atriz foi nascida pra ser vilã! Adorei ainda mais quando ela canta a sua musiquinha da Bandora, que me fez rir alto em casa enquanto assistia. Mas voltando ao assunto, Griforzer é um guerreiro forte, porém prefiro o Goldar por ter mais carisma e passar mais "crueldade". Griforzer fala muito pouco e só serve pra lutar mesmo. O que justifica as cenas americanas nos diálogos no Castelo de Rita. Não teve o mesmo carisma que sua contraparte americana. Em Zyuranger, os vilões que se destacaram inicialmente foram o Tottpatt e Bookback por serem bobos e agirem mais em ação e poderem se disfarçar. Já em PR, Baboo e Squatt são meio retardados e dispensáveis. Pleprechuan é aquele que cria os Dora Monsters, os tradicionais monstros da semana, do mesmo jeito que Flinster fazia.



A Gangue Bandora (Bandora Ichimi)


Geki, Goushi, Dan, Boi e Mei;
As faces dos Rangers que o ocidente desconhece


Chegando à Terra, Bandora ameaça a humanidade e avisa à Barza sobre o ataque. Barza (a contraparte de Zordon quando mais "jovem") é um antigo mago branco que lutou contra Bandora nos tempos jurássicos. Vendo o caos que assola à Terra no momento, ele desperta cinco guerreiros que adormeciam por 170 milhões de anos. Estes são os bravos guerreiros representantes de cinco tribos antigos e contam com a proteção dos Shugoju (Guardiões Feras). Os cinco guerreiros são: Geki/Tyranno Ranger (a contraparte de Jason Lee Scott), o príncipe da Tribo Yamato e conhecido como "Guerreiro da Justiça"; Goushi/Mammoth Ranger (contraparte de Zack Taylor), o cavaleiro da Tribo Sharma e conhecido como o "Guerreiro da Sabedoria"; Dan/Tricera Ranger (contraparte de Billy Cranston), o cavaleiro da Tribo Etof e conhecido como "Guerreiro da Coragem"; Boi/Tiger Ranger (contraparte de Trini Kwan), o cavaleiro da Tribo Daim e conhecido como "Guerreiro da Esperança"; e Mei/Ptera Ranger (contraparte de Kimberly Ann Hart), a princesa da Tribo Risha e conhecida como "Guerreira do Amor". Com suas Dino Bucler (Power Morphers) eles se tornam os Zyuranger e assim começa a guerra contra a perversa Bandora e sua gangue.



Nada de morfar! Dino Bucler!!
Zyuranger, os verdadeiros heróis da bravura!


Sobre os heróis, todos são guerreiros íntegros e de bom coração. Não que os de Alameda não sejam. Não é isso. Até aqueles adolescentes tiveram seus momentos de bondade. Mas os de "Zyu" são marcantes e especiais. Você até sente falta deles quando a série termina. Por exemplo, Geki é o tipo de líder cabeça-fria e sereno. Já a Mei é mais destemida e tem a arte dos disfarces. Coisa que dificilmente você vê numa história dos Rangers americanos. Sem contar que os Zyuranger conquistam amizade da sociedade, principalmente de crianças que sempre são alvos dos planos maléficos da incansável Bandora.



Zaurer Machines

Densetsu no Buki (Armas Lendárias) e Howling Cannon
Daizyujin, o robô gigante divino

Os heróis contam com suas individuais Armas Lendárias, que tem suas formas civis e transformadas. Também possuem as motos Zaurer Machines que só apareceram apenas uma vez em PR. Mas o ponto forte são os robôs gigantes que foram chamados na versão americana de "Megazords". Em Zyuranger eles não são apenas robôs e sim deuses protetores. O primeiro Megazord na verdade é Daizyujin (traduzindo: Grande fera deus), que é a divindade que luta e auxilia os heróis e Barza em momentos de crise. Ele é formado pelos Guardiões Feras das cinco tribos. São eles: Tyranossaurus, Zyu Mammoth, Triceratops, Saber Tiger e Pteranodon.





Burai, o príncipe solitário
O episódio 17 marca a primeira aparição de Dragon Ranger, 
o precursor dos sextos membros dos Super Sentai
Dragon Ceasar

Goryuujin

O rumo da série muda com o despertar de um desconhecido sexto membro da equipe. Seu nome é Burai (contraparte de Tommy Oliver), o Dragon Ranger. Cavaleiro da Tribo Yamato -- a mesma de Geki -- e mais tarde conhecido como os "Guerreiro do Poder". Surge a partir do episódio 17. Burai ressurge com um grande ódio de Geki. Os jovens ficam sem entender o porque dessa ira até que Barza revela para eles o passado do herói. Burai é o irmão mais velho de Geki. Seu pai, o Cavaleiro Negro, era um homem orgulhoso e arrogante que desrespeitou o seu monarca, o rei Yamato. O rei sem filhos, ao invés de executá-lo, penaliza o tal cavaleiro por tomar a custódia de seu filho mais novo (Geki), adotando o menino como seu herdeiro quando Geki tinha um ano de idade e Burai tinha oito. O Cavaleiro Negro foi incapaz de chegar a um acordo com esta perda e liderou uma rebelião para retomar Geki, e é morto em um duelo contra o rei Yamato. Burai, testemunhando a morte do pai, jurou vingança e prometeu matar o rei Yamato, mas quando Bandora atacou e matou o rei, Burai começou a investir sua vingança em Geki.



Lamie, a dama escorpião

Após o seu despertar, Burai se alia a Bandora que lhe entrega a sombria Espada de Hellfriede (contraparte da Espada das Trevas usada por Tommy). E o circo pega fogo ainda mais com a chegada de Lamie (contraparte de Scorpina). Ela é a sedutora e fatal serva de Bandora. Também é esposa de Griforzer. Burai ainda recebe do espírito de vida Clothoa Zyusouken (Dragon Dagger), uma flauta que desperta outro Shugoju, o Dragon Ceasar (Dragonzord). Com a união de Ceasar e mais Dragon Ranger, Griforzer e Lamie agigantados conseguem levar Daizyujin para uma terrível emboscada tramada por Bandora, envolvendo-o numa força negativa gerada por um eclipse. Daizyujin é destruído. Com isso, Bandora ataca Tóquio pavorosamente. Numa última tentativa, Geki trava mais um duelo contra Burai para deixar essa vingança absurda de lado. Daizyujin ressurge com ímpeto e detém o ataque de Ceasar. Convencido de que da sua tarefa é de defender a Terra, Burai se arrepende do que fez e os laços dos irmãos são unidos numa cena emocionante. Daizyujin integra Dragon Ranger como mais um membro do Zyuranger e acontece um novo gattai (união/fusão em japonês) entre Dragon Ceasar, Zyu Mammoth, Triceratops e Saber Tiger. A formação deles cria o Gouryuujin (Dragonzord em Modo de Batalha).





Nem estava resolvido. Burai ainda passava por mais um dilema: seus dias estavam contados. Restam-lhe apenas 25 horas de vida! Para manter o seu tempo, era preciso que ele fosse confinado no Lapseless Room, onde havia uma vela que representava o seu tempo de vida. Toda vez que Burai saísse de lá, seu tempo era reduzido. Assim ele aparecia apenas quando Geki e os outros precisassem de ajuda. Particularmente falando, isso me deixou meio frustrado pois a sua aparição era pouca e o personagem era meio que não muito aproveitado. Pensei que o Tommy continuasse o bam-bam-bam verde. Mas foi quando chegavam as horas finais é que Burai começou a ganhar mais destaque como merecia. O verdão decidiu que iria gastar o pouco tempo que tinha para ajudar as pessoas e defendê-las das artimanhas de Bandora. O episódio 42 foi definitivo para a decisão. Faltando poucas horas para a morte, Burai decide lutar contra Dora Gansaku que se disfarçava de Dragon Ceasar para atacar a cidade. Tendo a vitória, Burai dá os seus últimos suspiros e entrega a Geki a Dragon Shield e o Zyusouken como herança. Assim nasce a forma Armed Tyranno Ranger na triste despedida ao entardecer.



Burai em sua luta final

A morte de Burai

O nascimento de Armed Tirano Ranger


Ceasar sente profunda tristeza pela morte do companheiro. Geki tenta consolá-lo e diz que agora tem o poder do seu nii-san (irmão mais velho) para lutar contra Bandora. Os Zyuranger enfrentam Dora Antaeus, o mais poderoso dos Dora Monsters que se tinham enfrentado até então. Tyranno Ranger joga-se para dentro do monstro e enfrenta o coração do inimigo que é o seu ponto forte. O líder usa os poderes de Burai para lutar e consegue convencer Ceasar com sua autoridade sobre o gigante. Armed Tyranno Ranger consegue destruir o coração de Antaeus e o monstro de fato é derrotado pelo Kyukyoku Daizyujin (Ultrazord).



Dora Antaeus









Os Zyuranger ainda teriam que enfrentar o seu maior desafio nos quatro episódios finais (47-50). Impedir o sacrifício de crianças que seriam ofertadas para o retorno de Dai Satan (contraparte de Lokar) -- que havia aparecido anteriormente nos episódios 31 e 32. A batalha entre deus e diabo aconteceria novamente depois de 170 milhões de anos. Seria uma analogia ao cristianismo contada na ficção. Ainda na reta final, descobrimos o passado de Bandora e conhecemos seu filho (?!). Kai havia morrido ainda nos tempos jurássicos, o que levou Bandora -- que outrora fora uma rainha -- a vender sua alma e se tornar a bruxa que conhecemos. Kai retorna das trevas e pilota um Dora Monster gigante chamado Dora Talos. Os dois poderosos inimigos lutam contra Daizyujin e Dragon Ceasar que foram derrotados pela magia de Bandora. King Brachion (Titanus) é soterrado e destruído junto com ovos de dinossauro que foram encontrados nos tempos atuais durante uma das sagas da série, e que estavam prestes a nascer. Zyuranger fica sem os Shugoju que desaparecem na batalha. Consequentemente perde o poder de transformação. Sem esperanças, Burai aparece diante dos Zyuranger avisando-os de que Daizyujin e os outros ainda estão vivos. Apenas estavam presos na magia de Bandora. Os heróis teriam que passar pela porta mágica e recuperarem os seus espíritos. Mas pra isso teriam que enfrentar fantasmas de alguns Dora Monsters derrotados durante a série. Com muita dificuldade os heróis conquistam essa vitória e se transformam mais uma vez. Combinando o poder e o espírito, o revivido Kyukyoku Daizyujin destrói Dora Talos e finalmente Satan é derrotado.



Dai Satan

Kai, o desconhecido filho de Bandora
Dora Talos

Os Zyuranger partem para o Bandora Palace e Kai morre nos braços de sua mãe. Bandora chora por seu filho e as lágrimas comovem tanto os Zyuranger quanto os capangas da bruxa. Furiosa, Bandora tenta atacá-los com sua magia, mas seus poderes foram perdidos, uma vez que tenha derramado lágrimas. Daizyujin proclama a derrota da feiticeira e a condena de volta ao vaso selado junto com seus servos. O vaso é jogado para os confins do espaço. A paz volta a reinar na Terra! Dentro do vaso vemos uma festa da Gangue de Bandora. Final feliz para os vilões. Griforzer e Lamie tiveram um filho, o que faz Bandora esquecer sua derrota. Zyuranger deixam os ovos com as crianças. Os ovos são chocados e acontece o nascimento de dinossauros -- em pleno século XX. Barza, que recuperou sua magia branca, leva os Zyuranger para a terra dos deuses em uma nuvem flutuante onde os seus Shugojus os aguardam. E assim termina essa maravilhosa série, com o tema de abertura e flashbacks dos momentos mais emocionantes da trama.



No final, os vilões tiveram um desfecho feliz!
Griforzer e Lamie tiveram um filho (?!)



Do elenco, alguns são conhecidos pelo público brasileiro. O ator Takumi Hashimoto, o Boi/Tiger Ranger, foi Manabu Yamashi, o irmãozinho do ninja Jiraiya na série de 1988. O pequeno ninja fez sucesso e reapareceu no ano seguinte no episódio 31 de Jiban (1989). Teve até um episódio em Zyuranger que fez uma justa referência onde Hashimoto voltou às origens. Na versão americana o Yellow Ranger é uma mulher, no caso, a Trini, interpretada pela Thuy Trang (in memorian). Shiro Izumi, o Burai/Dragon Ranger, foi Ozora/Change Pegasus de Changeman (1985), além de ter participado dos mini-filmes Super Sentai World e Kamen Rider World (ambos de 1994) como o civil Masato. Jun Tatara (in memorian), o Barza, foi o Sr. Gosuke em Gavan (1982) e participou do episódio 30 de Jiraiya. A belíssima Ami Kawai, a Lamie, foi a vilã Marshall em Jiban. E é claro, a consagradíssima Machiko Soga (in memorian) -- de quem não escondo minha admiração por seu talento -- foi a Rainha Pandora de Spielvan em 1986, Aracnin Morgana de Jiraiya em 1988, originalmente dublou o Ball Boy em Machineman (1984), isso além de tantos outros incontáveis papéis memoráveis na história do tokusatsu. O tema de abertura foi cantado por Kenta Satô, que também é ator e vivenciou o personagem Riki Honoo/Red Turbo em Turboranger (super sentai de 1989).



Ami Kawai


Machiko Soga (18 de março de 1938 - 7 de maio de 2006)
Jun Tatara (4 de agosto de 1917 - 30 de setembro de 2006)

Takumi Hashimoto


Outros destaques são os atores: Yuta Mochizuki, o líder Geki/Tyranno Ranger, foi o Kamen Rider J no filme do herói-homônimo de 1994; Seiju Umon, o Goushi/Mammoth Ranger, voltaria a interpretar o mesmo personagem nos dois últimos episódios de Gokaiger, em fevereiro de 2012; Hideki Fujiwara, o Dan/Tricera Ranger, foi Dan em dois episódios em Jetman, o Super Sentai do ano anterior; e Reiko Chiba, a Mei/Ptera Ranger, teve sua carreira como seiyu (dubladora) e já teve sua breve passagem no meio J-Pop. Ela é conhecida carinhosamente pelo apelido de "Chibarei".



Yuta Mochizuki


Seiju Umon volta na pele de Goushi, que retorna para auxiliar
Gai Ikari/Gokai Silver nos momentos finais de Gokaiger
Reiko Chiba


Assim como Changeman, Zyuranger teve algumas histórias dividas em sagas. Isso é bem visível nos primeiros seis episódios onde temos três episódios duplos seguidos. O maior deles foi na estréia de Burai que durou seis episódios. Contra cinco da estréia de Tommy em PR -- que na segunda temporada perdeu os poderes do Ranger Verde e logo passou a ser o Ranger Branco (Kiba Ranger de Dairanger).

Se eu tiver que definir a série em uma só palavra, a mais apropriada é bouken (aventura em japonês). Isso já responde tudo e mostra a distância que há entre a sua originalidade e o "Saban's way of life". Não posso deixar de falar que as BGMs (trilhas sonoras de fundo) são clássicas e são daquelas que ficam ecoando na mente por um tempão. Moral da história: o original continua mais que superior depois de 20 anos. Jason e sua turma que me perdoem, mas estes só tem apenas a metade de carisma na frente dos nobres nipônicos. Zyuranger entra para a lista dos meus Super Sentais favoritos. Foi um programa de TV que soube conciliar o bom humor infantil -- já que o público principal eram as crianças -- e umas boas doses de ação e carga dramática. Se Power Rangers não existisse, seria um ótimo sentai que daria certo no Brasil. Estes sim é que merecem todo o aplauso dos fãs e o ocidente deve conhecer e reconhecê-los. Zyuranger é parada obrigatória pra qualquer otaku fã de Super Sentai, até mesmo para quem se considera fã das "criações" da Saban.

Sayonara... Jyurenjaa!!



Eternamente... Zyuranger!!


Ainda não acaba por aqui...



Zyu2 - a "nova saga" dos Dinossauros

A produção de Zyuranger não termina com o fim da série. Entre o final de 1993 e o início de 1994 a Toei Company, em parceria com a Saban Entertainment, cria o Zyu2!! Não se trata de uma continuação direta de Zyuranger e sim de cenas inéditas da série original para irem ao ar exclusivamente em Power Rangers. Quem assistiu primeiro as duas temporadas iniciais de Mighty Morphin Power Rangers vai sentir falta de algumas cenas e monstros quando assistir Zyuranger. Originalmente a primeira temporada de MMPR terminaria no episódio 40, ainda em 1993. Como as cenas de Zyuranger acabaram e a popularidade da série cresceu inesperadamente, foram gravados dois finais para o episódio duplo intitulado "Doomsday" (1x39 e 1x40). O destino de Rita Repulsa e seu bando seria o mesmo de Bandora, com direito também a um filho e ter o auxílio de Lokar. Porém o final seria menos dramático do que em Zyuranger e no final os Power Rangers abandonariam os seus poderes. As ideias não vingaram. Haim Saban, o "pai dos Rangers" (:P), agradou-se com o desempenho da série e tratou de criar novos episódios. No entanto, as cenas de Zyuranger estavam esgotadas. Já não tinham mais monstros pra "atacar Angel Grove". Com isso, Saban entra em contato com a Toei para produzir novas filmagens (à película, é claro!). As duas empresas entraram em acordo e criaram mais 25 episódios com cenas inéditas de Zyuranger. Com isso, novos monstros foram criados pela Toei. As filmagens foram enviadas para os EUA para serem incorporadas as filmagens americanas. Também solicitou-se que os temas presentes em Power Rangers fossem colocadas nas novas gravações. Há três temas principais emitidos para alguns Rangers como: 1) a relação afetuosa entre o Ranger Verde e a Ranger Rosa; 2) A inteligência do Ranger Azul -- uma vez que Tricera Ranger é o alívio cômico do grupo original, enquanto o mais esperto era o Tiger Ranger; 3) Ranger Amarela com características femininas -- já que sua contraparte original é masculina. Isso em contar com a tecnologia (em Zyuranger usava-se magia). Por exemplo, enquanto o Zyuranger comunicavam telepaticamente, os Power Rangers usavam o pulso dos comunicadores que tinham que colocar para perto de suas bocas. Isto foi demonstrado durante as cenas de luta. Além disso, os Power Rangers usam o teletransporte para viajar para destinos instantaneamente. Isso também foi utilizado nas cenas de Zyu2 com os Rangers fazendo pose para tal ação. O Ultrazord (Kyukyoku Daizyujin) era usado mais frequentemente.



Cena de Zyu2 onde Zack/Black Ranger recebe o Dragon Shield de Tommy/Green Ranger.
Originalmente exibido no episódio "An Oyster Stew" (1x60), final da primeira temporada de
Mighty Morphin Power Rangers

Enquanto os Power Rangers continuavam com as cenas de Zyu2, as negociação para as cenas de Gosei Sentai Dairanger (Esquadrão Cinco Estrelas Dairanger, o Super Sentai que sucedeu Zyuranger em 1993) estavam sendo acertadas. As imagens de batalha seriam gravadas nos EUA e os Dinozords mudariam para Thunderzords (os robôs Kidenju da série original). As últimas cenas de Zyu2 foram usadas até o início da segunda temporada, onde já fora inaugurado o Thunder Megazord (Dairen-Oh) e foi criado o Lord Zedd, o primeiro vilão original americano da franquia (Finalmente um!) e os Patrulheiros de Massa (Soldados Golem em Zyuranger) teriam um "Z" no peito. A transição dos Dinozords para os Thunderzords aconteceu prematuramente no episódio 3 da segunda temporada, quando as cenas de Zyu2 ainda eram utilizadas. A dificuldade foi ainda maior ao emendar as cenas do Dairen-Oh contra os monstros de Zyu2 nas imagens japonesas. O máximo que podia-se fazer era o novo Megazord soltar os lasers num take e em outro o monstro explodir. Isso nem sempre funcionava, como, ocasionalmente, o monstro poderia realmente ser visto fazendo contato físico com o velho Megazord. Tal como em "The Ninja Encounter" (episódios 2x22, 2x23 e 2x24) o velho Megazord era visto como o Thunder Megazord foi explodido em seguida, ele foi visto novamente quando o Thunder Megazord tinha a espada. Mas Zyu2 não foram as primeiras cenas de películas originais usadas diretamente para Power Rangers. Antes do início da série, a Saban filmou cenas envolvendo os vilões (tanto Machiko Soga quanto Ami Kawai tiveram que "reprisar" seus papeis de Zyuranger). Essas cenas eram de perceptível qualidade superior à filmagem de Zyuranger, e foram utilizadas a fim de melhor atender o movimento dos lábios com as vozes previstas (por exemplo, a famosa frase de Rita "varinha mágica, faça o meu monstro / Goldar crescer"). Seria um "Zyu1.5"? Sei lá. O que a Toei não faz pra ganhar dinheiro, né?



Gosei Sentai Dairanger (1993) --
o Super Sentai que serviu de adaptação
para a segunda temporada de Power Rangers
Power Rangers, o enlatado japonês fabricado no ocidente


Haim Saban -- amado por uns, odiado por outros...

Crítica final: No próximo dia 28 de agosto os Power Rangers completam 20 anos de sua estreia. Eu lembro que na época que chegou na Globo aprendi logo o que era Super Sentai, como havia citado no início do post. Isso me deixou mais curioso pra ver os sentais originais e ao mesmo tempo me deixava triste por estas não passarem aqui por conta dos direitos da Saban. Mais triste ainda foi ver Metalder, Spielvan e Shaider como VR Troopers, e Kamen Rider Black RX como Masked Rider -- ainda bem que deu tempo de ver a série original a tempo. Mesmo sabendo da "picaretagem" entre a Toei e a Saban, assistia mesmo porque gostava. E ainda hoje gosto dos Power Rangers até a temporada do Time Force (adaptação de Timeranger). Foram as melhores épocas da franquia e sempre assisto quando tem reprises na TV. Hoje não com a mesma empolgação que eu assisto um Super Sentai clássico, por exemplo. Pra mim, PR era pra se encerrar até o Time Force, que foi o fim da primeira era da Saban. A partir da temporada seguinte, o Wild Force (adaptação de Gaoranger) as histórias ficam muito bestas nas mãos da Disney. O que me fez perder o gosto e passei a ter uma certa raiva das adaptações por um tempo. E quando a Saban voltou com tudo em 2011 com Power Rangers: Samurai (adaptação de Shinkenger) é que o negócio ficou mais retardado ainda e a praga vem se alastrando pro atual Power Rangers: Megaforce (adaptação de Goseiger). Ou vai me dizer que aquela frase "Rangers Together, Samurai Forever!" é um máximo? Não mesmo! A franquia já deu o que tinha que dar há muito tempo e tá aí mesmo é pra ganhar dinheiro nas costas dos japoneses. Aliás, as duas empresas lucram com isso juntas. Uma franquia praticamente ficou viciada na outra e vice-versa. O que eu vou dizer pode até ser uma heresia pros fãs da Saban, mas não precisava ter Power Rangers. Antes que me digam que a franquia americana "ajuda a divulgar os tokusatsu no ocidente", de certa forma eu concordo em parte. Pois vejo como uma via de mão-dupla! Por outro lado da moeda, o tokusatsu é mal divulgado e ninguém sabe o que é direito. Nos anos 90 era mais fácil pro leigo  da época diferenciar um Changeman ou um Flashman da vida de uma temporada qualquer dos PR. Hoje não. Fica até chato pra um tokufã ouvir uma pessoa chamar um Metal Hero, um Kamen Rider e até um Ultraman de "Power Rangers". Ou seja, uma ignorância cultural tremenda em plena era de internet. Sempre me deparo com umas besteiras como: "Power Rangers não sangra, faísca", "Megazord destruindo cidade desde 1993", e a mais grotesca pra mim: "Se explodir algo, faça pose!" e na cara-de-pau ter a foto do Dynaman (Super Sentai de 1983!). Aí eu não aguento. É raríssimo ver um criança que saiba diferenciar uma produção original japonesa de uma adaptação americana. Ás vezes tento imaginar como será isso daqui a mais 20 anos! É por isso que os eventos de anime/tokusatsu tem que investir pesado em passar o entendimento das diferenças das duas franquias aprenderem a serem otimistas e acreditar no potencial que cada um tem como fã.

5 comentários:

  1. Muito bom, Cesinha! Suas matérias são riquissímas! Sabia algumas cisas sobre Zyuranger, mas seu post foi abrangente. eu possuía aquela revista Herói, que me esclareceu sobre os Power Rangers e tive a oportunidade de mostrar pra alguns gringos, amigos meus, a verdadeira origem dos Power Rangers. Não estou querendo detonar com os Power Rangers, pois acompanhei a várias temporadas. É que sou Tokufã desde pequeno, inclusive, fiz uma homenagem no dia das Mães, desenhei as máscaras dos Flashman, peguei mais quatro(amigos e amigas)meus,ensaiamos e nos apresentamos! FOI SUGOI!!!

    ResponderExcluir
  2. Valeu, anônimo. A revista Herói foi um marco de importante na época para alavancar ainda mais o sucesso dos Cavaleiros do Zodíaco e dos Power Rangers (adaptações e originais). Se não fossem por elas acho que os fãs de hoje seriam apenas como alguns que acompanhavam as séries por assistir e não se aprofundavam nas histórias. Foi uma época de formação de várias gerações de fãs dos segmentos. Sobre as máscaras, deve ter sido legal fazer as poses dos Flashman e imitá-los.

    ResponderExcluir
  3. Revista herói supervisionada pelo Marcelo Del Greco, marcou e muito a minha infância. Até hoje eu não vi o Zyuranger, porém acompanho outros e atualmente estou no Gokaiger. O Blog é 10

    ResponderExcluir
  4. Nem a própria Band sabe diferenciar PR Turbo de Tempestade Ninja!

    ResponderExcluir
  5. Burai o melhor maior e unico sem duvidas o melhor personagem e o melhor ranger verde de todos

    ResponderExcluir